Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 25/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 25/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 25/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 25/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Mundo

Crise na Venezuela: Trump fala com Putin

media  
O Presidente russo Vladimir Putin e o seu homólogo americano Donald Trump , durante a cimeira do G20 em Buenos Aires, no mês de Novepmbro de 2018 REUTERS/Marcos Brindicci

Com em pano de fundo a abortada tentativa de golpe de estado levada à cabo pelos opositores Juan Guaido e Leopoldo Lopez na passada terça-feira, a Rússia __segundo observadores __ emerge como um interlocutor de peso na crise política na Venezuela. Após o fracassado golpe de Guaidó e os seus correligionários, a Rússia tinha acusado os Estados Unidos de apoiar uma acção, que nada tinha haver com a democracia.

Na sexta-feira o Presidente russo, Vladimir Putin abordou telefónicamente com o seu homólogo americano, Donald Trump, a questão venezuelana,  após Washington ter acusado Moscovo de convencer ,o chefe de Estado da Venezuela, Nicolas Maduro, a não fugir do país, para Cuba

Propagado pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, o alegado desejo de fuga de Maduro para Cuba, foi qualificado pelas autoridades de Caracas de fake news e de guerra psicológica, para tentar desestabilizar o poder venezuelano.

Washington que tradicionalmente apoiou a oposição Venezuelana desde a chegada ao poder do chavismo em 1998, através da eleição de Hugo Chavez, tem afirmado que a Rússia não tem nada a fazer no continente sul-americano, considerado pelos Estados Unidos como sua jurisdição natural.

Moscovo que tem interesses económicos na Venezuela, sublinhou na terça-feira por intermédio do seu chefe da diplomcia Sergëi Lavrov, que as ameaças de intervenção militar por parte de Washington representam uma violação da Carta das Nações Unidas e que esforços devem ser envidados na procura de uma solução política para a crise venezuelana.

Juan Guaidó, o opositor apoiado pelos Estados Unidos, que no dia 23 de Janeiro autoproclamou-se presidente da Venezuela, voltou a apelar os seus partidários para manifestar, sábado, contra o executivo de Nicolas Maduro, que ele afirma usurpar o poder.

Guaidó, de 35 anos, não reconheceu a eleição de Nicolas Maduro em 2018 com 67,8% dos votos. A oposição acusou Maduro de impedir a sua participação na eleição presidencial e o poder retorquiu que os oponentes optaram pelo boicote.

Leopoldo Lopez, líder do partido Vontade Popular, do qual também é membro Guaidó, encontra-se agora refugiado na embaixada de Espanha em Caracas, depois de ter aproveitado o golpe abortado de terça-feira última, para escapar a prisão domiciliária de que era objecto desde 8 de Julho de 2017.

O controverso opositor venezuelano, que tinha sido acusado de actos terroristas em 2014, activo políticamente desde a sua fuga, foi alvo de uma advertência na sexta-feira por parte da Espanha, cujo chefe da diplomacia Josep Borrell, declarou que o seu país não deixará a sua embaixada transformar-se num centro de activismo.

A Espanha, à semelhança da França,de Portugal e de outros países da União Europeia, manifestou o seu apoio ao opositor Guaidó, mas não é favorável à uma intervenção militar, defendida pelos Estados Unidos, para solucionar a crise política na Venezuela.

Quanto aos ministros dos Negócios Estrangeiros do chamado Grupo de Lima, do qual fazem parte, o Brasil, a Argentina, o Canada,o Chile , a Colômbia, a Costa Rica,a Guatemala, o México, o Panamá, o Paraguai e o Peru, reuniram-se em Lima para avaliar a situação na Venezuela, após a abortada tentativa de golpe por Juan Guaido e Leopoldo Lopez, que não conseguiram mobilizar o exército a seu favor para destituir o Presidente Nicolas Maduro.

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.