Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

RDC: proibidas manifestações da oposição

media  
O Presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi. Kinshasa. 29 de Junho de 2019 France24-RFI

As forças da ordem congolesas interviram nomeadamente em Kinshasa para dispersar uma manifestação da oposição, proibida antecipadamente pela administração do novo Presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi. Este último, tinha lançado uma advertência aos organizadores do acto, ao afirmar que "não se pode confundir democracia com anarquia". Trata-se da primeira marcha, dos antigos aliados de Tshisekedi, a ser proibida pelas autoridades, desde que o novo chefe de Estado da RDC, assumiu as suas funções.O protesto visava denunciar a anulação, pelo Tribunal Constitucional, das eleições de mais de vinte deputados da oposição.

O governador de Kinshasa, Gentiny Ngobila, tinha proibido a manifestação convocada pelos dirigentes da oposição Martin Fayalu, ex-candidato à eleição presidencial, e Adolphe Muzito, antigo Primeiro-ministro. Ngobila foi apoiado na sua decisão pelo Presidente Félix Tshisekedi, que reconheceu terem sido cometidos alguns erros, no que toca à anulação das eleições de mais de uma vintena de candidatos da oposição à Assembleia Nacional congolesa.

O novo chefe de Estado congolês tinha afirmado, que cabia ao Tribunal Constitucional reavaliar as eleições anuladas, e que a oposição deve aguardar as decisões que serão tomadas pela referida instituição.

Durante a intervenção policial contra várias centenas de manifestantes em Kinshasa, as forças da ordem lançaram gás pimenta, assim como furaram os pneus da viatura que transportava Adolphe Muzito, antigo Primeiro-Ministro, e o ex-candidato à eleição presidencial Martin Fayalu. Este opositor declarou que, a marcha tinha como objectivo fazer respeitar a vontade do povo.

Segundo o comandante da Polícia de Kinshasa, general Sylvano Kasongo, as reuniões públicas de mais de dez pessoas, tinham sido proibidas em todo o tetrritório da RDC, no domingo dia 30 de Junho.

Recontros ,entre as forças da ordem e manifestantes,ocorreramm igualmente em Goma,no leste do país.

A marcha de protesto tinha sido convocada na sexta-feira pela coligação Lamuka, liderada nomeadamente por Martin Fayalu, Adolphe Muzito e Jean-Pierre Bemba, ex-aliados de Félix Tshisekedi, agora na oposição.

Na sua primeira grande entrevista concedida à Radio França Internacional e ao canal de televisão France 24, desde que tomou posse no dia 24 de Janeiro, o Presidente FélixTshisekedi declarou: desde que fui eleito, não proibi nenhuma manifestação.Os direitos e as liberdades dos cidadãos congoleses são garantidos. Mas nós temos a impressão de que,  algumas pessoas confondem democracia com anarquia.

 

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.