Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Ursula von der Leyen defende política migratória mais solidária

media Ursula von der Leyen a presidente eleita da Comissão Europeia REUTERS/Vincent Kessler

Primeira grande entrevista da futura presidente da Comissão Europeia. A alemã Ursula von der Leyen deixou recados a Itália e à Russia, defendeu uma política migratória mais solidária e reforçou a necessidade de um Brexit ordenado.

Numa entrevista a um grupo de médias europeus, Ursula von der Layen, sublinhou que a saída ordenada do Reino Unido da União europeia é importante para que os laços futuros estejam bem fundamentados. Von der Leyen lembrou que a União Europeia vai esperar a escolha do novo primeiro-ministro britânico para depois procurar novas negociações.

A nova mulher à frente da Comissão Europeia, falou igualmente de migrações, ressalvou que para resolver o problema é necessário investir na origem das migrações, dar uma “resposta humana”, e reformar urgentemente o Acordo de Dublin.

A situação italiana também esteve em cima da mesa, com a presidente eleita da Comissão Europeia a avisar Itália de que “controlará de perto a situação no país”, apesar de a actual comissão Juncker não ter aberto um procedimento de infracção excessiva devido à volumosa dívida pública italiana que superou os 130% do PIB.

Sobre os escândalos europeus com envolvimento da Rússia, Ursula von der Leyen apontou o dedo ao Kremlin que acusa de tentar dividir a Europa.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.