Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 01/05 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 02/05 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 01/05 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/05 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 01/05 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 02/05 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 01/05 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/05 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 01/05 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 02/05 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 01/05 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/05 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 01/05 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 02/05 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 01/05 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/05 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

Dirigente da UNITA em greve de fome

media Bandeira de Angola

O secretário-geral da UNITA, Abílio Kamalata Numa está, desde segunda-feira, em greve de fome para obter a libertação de um correligionário seu, que foi detido por içar uma bandeira do partido à revelia de uma autoridade local.

 

A detenção do militante da UNITA, o maior partido de posição em Angola, aconteceu depois deste  ter colocado contra a vontade  da autoridade local tradicional, a bandeira partidária numa aldeia do município do Bailundo.

Na opinião do secretário-geral da UNITA, Kamalata Numa, a detenção  é "injusta" e  constitui "um claro recuo na afirmação de democracia na sociedade angolana". A UNITA, acrescentou, "não pode permitir que os seus militantes sejam perseguidos por meras razões políticas".

O secretário-geral da UNITA acusa o executivo angolano de instrumentalizar  a autoridade local,  de modo a impedir as populações de se manifestarem. Kamalata Numa considera que a "intolerância" tem sido particularmente visível em províncias como o Huambo, Benguela, Bié e Kwanza Norte.

Kamalata Numa, que se encontra no comando da polícia angolana do Huambo, já avisou que a condição para terminar a greve de fome é a libertação do cidadão detido.

Com a colaboraçäo do nosso correspondente em Luanda, Avelino Miguel.

Correspondência Angola 09/02/2011 ouvir

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.