Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 27/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 02/12 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/12 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 27/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 02/12 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/12 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 27/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 02/12 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/12 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 27/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 02/12 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 27/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 02/12 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

Líder do PUN afirma que a Guiné Bissau perdeu a soberania

media Guiné Bissau Anthony Terrade/RFI

O líder do Partido da Unidade Nacional (PUN), Idrissa Djaló, afirmou hoje - em conferência de imprensa - que a Guiné-Bissau saiu a perder com o golpe de Estado do passado dia 12 de Abril : O País perdeu a sua soberania, está dividido, como está dividida a própria comunidade internacional quanto aos seus problemas.

Idrissa Djaló é o líder dum partido sem representação parlamentar, mas que tem um ponto de vista claro sobre a situação em que se encontra o seu País.

O líder do PUN teceu hoje duras críticas aos autores do golpe Estado de 12 de Abril, disse que a Guiné Bissau está dividida, e que a própria comunidade internacional se encontra dividida acerca dos seus problemas. 

Idrissa Djaló considera que não é fora do País que se devem resolver os problemas da Guiné Bissau, e defende a formação dum novo governo integrado por tecnocratas, a instituição dum tribunal ad-hoc para julgar todos os crimes de sangue ocorridos no País desde 1973, assim como a elaboração dum roteiro que seria apresentado depois aos parceiros internacionais.

Oiça aqui as explicações do nosso correspondente em Bissau, Mussá Baldé.

 

Correspondência de Bissau 13/07/2012 ouvir

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.