Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/04 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/04 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/04 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/04 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/04 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/04 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/04 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/04 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

Cabo Verde regulariza estrangeiros ilegais

media RTC

Os estrangeiros em situação ilegal a viver em Cabo Verde têm 90 dias a partir de hoje para regularizar a sua situação e solicitar autorização de residência temporária. O primeiro-ministro, José Maria Neves, alega que este dispositivo pretende atribuir mecanismos mais rigorosos para a entrada e permanência de estrangeiros.

Odair Santos, correspondente em Cabo Verde, ouviu o primeiro-ministro cabo-verdiano acerca do lançamento deste processo de regularização dos estrangeiros ilegais no arquipélago.

Correspondência de Cabo Verde 17/11/2014 ouvir

Actualmente vivem em Cabo Verde cerca de 17 000 estrangeiros oriundos da Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola, Senegal e Portugal, nomeadamente.

Este novo dispositivo prevendo a regularização dos clandestinos, em número indeterminado, presentes no arquipélago deverá, nomeadamente, contemplar muitos cidadãos oriundos da costa ocidental africana,  com alguma presença no comércio informal.

O embaixador cessante do Senegal, Mamadou Makhtar Gueye, ao apresentar na semana passada cumprimentos de despedida às autoridades, congratulou-se com esta medida prevendo a legalização de indocumentados.

Dacar insistia em que se atribuísse aos seus cidadãos em Cabo Verde o dispositivo de que teriam beneficiado os habitantes do arquipélago lusófono nas terras de Léopold Sedar Senghor.

Cerca de 6 000 estrangeiros oriundos da África ocidental, designadamente senegaleses, viveriam em território cabo-verdiano.

Noutro plano o arquipélago também é notícia em relação à reunião da Confederação empresarial da CPLP, Comunidade dos países de língua portuguesa. Este é um fórum que decorre até esta terça-feira na Cidade da Praia e que inclui também representantes da Guiné Equatorial, novo membro de pleno direito da organização lusófona.

De acordo com Salimo Abdula, presidente do organismo em causa, aquela estrutura visa criar uma plataforma permitindo a livre circulação de pessoas, bens e capitais no espaço lusófono.

Júlio Lopes, consultor cabo-verdiano de empresas, afirmou a João Matos faltar efectivar as condições permitindo um real espaço de negócios no seio da CPLP.

 

Júlio Lopes, Consultor caboverdiano de empresas 17/11/2014 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.