Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

Parlamento de Angola aprovou orçamento revisto

media REUTERS/Jo Yong-Hak/Files

O Orçamento geral do Estado de 2015 revisto foi aprovado na generalidade nesta quarta-feira pela Assembleia nacional de Angola. Este novo exame parlamentar ficou-se a dever à quebra da cotação do petróleo no mercado internacional. O documento vai implicar um corte de um terço nas despesas totais.

 

O OGE revisto define que a previsão da cotação do barril de crude para exportação, necessária para a estimativa das receitas fiscais, desce de 81 para 40 dólares.

Avelino Miguel, correspondente em Luanda, dá-nos conta do ambiente vivido em torno da revisão do Orçamento geral do Estado angolano.

Correspondência de Avelino Miguel 25/02/2015 ouvir

Esta revisão fará reduzir o peso do petróleo nas receitas fiscais angolanas de 70% em 2014 para 36,5% este ano.

Em resultado da quebra do preço do petróleo, as dificuldades sentem-se, designadamente, no envio de divisas em moeda estrangeira para fora de Angola, num contexto de acentuada diminuição das receitas fiscais e da escassez de divisas estrangeiras, nomeadamente dólares.

O documento segue agora para exame nas comissões da especialidade no parlamento angolano.

A oposição denuncia a má gestão por Luanda da crise do petróleo, sem recurso ao fundo soberano nem qualquer antecipação em relação à flutuação do preço do crude, primeiro produto de exportação de Angola.
 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.