Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

Gambianos à espera que Yahya Jammeh saia do país

media Yahya Jammeh presidente derrotado da Gâmbia, no centro, em plena negociação com missão africana da CEDEAO RFI

Os gambianos continuavam à espera este sábado que o derrotado presidente Yahya Jammeh abandonasse o país como prometeu depois da mediação da CEDEAO que enviou tropas para pôr no poder o vencedor das eleições presidenciais, Adama Barrow.

Yahya Jammeh, ex-presidente da Gâmbia, derrotado nas eleições presidenciais de dezembro, prometeu esta sexta-feira, (20) sair do poder, após longas e duras negociações com a CEDEAO, que chegou a enviar tropas para aquele país para colocar no poder, Adama Barrow, vencedor desse escrutínio presidencial.

Contudo, ainda na tarde deste sábado, os gambianos continuavam à espera que Yahya Jammeh cumprisse a sua promessa e saísse do poder para o exílio, talvez a Guiné Conacri, depois de se ter falado em vários outros países, como a Arábia saudita, Marrocos, Nigéria e mesmo a Guiné Bissau;

 Convém lembrar que a Guiné Bissau país vizinho tem recebido nos últimos dias milhares de gambianos que abandonam o seu país com medo da violência de Yahya Jammeh e os seus homens ou mesmo duma guerra, depois que a CEDEAO enviou tropas, sobretudo do Senegal, para a Gâmbia.

Entretanto, ontem à noite, a capital gambiana, Banjul, mostrava-se calma sobretudo após a aceitação de Jammeh em deixar o país e o poder para o seu adversário das presidenciais, Adama Barrow, que nesse meio tempo tomou posse na embaixada gambiana, em Dacar, no Senegal.

Um jovem gambiano, Saikou Camara de 28 anos, é como S. Tomé, quando diz: "Eu só acreditarei que Jammeh  aceitou deixar o poder quando ele estive fora do país".

Entre os gambianos é ver para crer  e a desconfiança é de rigor com outros a mostrar-se impacientes em ver Jammeh abandonar o país o mais rápido possível depois de ter estado no poder 22 anos na Gâmbia, pequeno país de 2 milhões de habitantes e que dirigiu com punho de ferro.

Yahya Jammeh, 51 anos, anunciou ontem na televisão a sua decisão em deixar o país nestes termos:

"Decidi em consciência deixar a direcção desta grande nação, com uma infinita gratidão em relação a todos os gambianos".

A crise política na Gâmbia estalou a 9 de dezembro, quando Yahya Jammeh recusou reconhecer os resultados das eleições presidenciais de 1 de dezembro, que deram a vitória Adama Barrow, isto depois dele ter começado por felicitar o vencedor uma semana antes.

Múltiplas iniciativas fizeram depois mudar de ideias o então presidente derrotado, Jammeh, que tomou uma série de medidas nomeadamente interpondo um recurso ao supremo tribunal denunciando fraudes para se manter no poder.

Mas, o vencedor Adama Barrow, já tinha sido reconhecido pela comunidade internacional, nomeadamente, a União africana e a CEDEAO, que entraram em acção prometendo solidariedade ao vencedor e sanções ao derrotado Jammeh.

Seguiu-se então uma série de missões e negociações de Presidentes africanos e dirigentes da CEDEAO à Gâmbia para tentar convencer Jammeh a entregar o poder ao vencedor Barrow.

Jammeh recusava todas as propostas que lhe eram feitas e a CEDEAO acabou por enviar tropas para o tirar do poder.

Uma solução pacífica estará em vias de ganhar este braço de ferro, poupando ao povo gambiano uma guerra, com Jammeh aceitando exilar-se na Guiné Conacri e nos útimos fala-se ainda na Guiné Equatorial ou Mauritânia.

A ver vamos!

João Matos sobre situação na Gâmbia 21/01/2017 ouvir

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.