Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 19/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 17/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 17/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 17/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 17/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
África

PALOP: União Europeia atenta aos direitos humanos

media Sede da União Europeia em Bruxelas. REUTERS/Francois Lenoir

A União europeia divulgou ontem o seu relatório anual sobre o respeito pelos direitos Humanos no mundo em 2016, contemplando os PALOP, Países africanos de língua oficial portuguesa.

Em Moçambique a situação deteriorou-se, devido sobretudo à tensão político-militar entre governo e Renamo que levou milhares de moçambicanos a fugir para países vizinhos, com registo de assassínios não resolvidos, repressão política e intimidações à oposição.

Sobre Angola é denunciado o uso injustificado da força pela polícia e militares e é criticado o novo pacote sobre a comunicação social que segundo o relatório restringe ainda mais a liberdade de imprensa.

Acerca da Guiné-Bissau, embora sem registo de violações de Direitos Humanos, a crise política desde Agosto de 2015 enfraquece as instituições do Estado.

A corrupção e a impunidade continuam preocupantes, mas a liberdade de imprensa não foi ameaçada.

Já em Cabo Verde o panorama continuou a ser positivo em 2016, mas há relatos de violência contra prisioneiros, atrasos na justiça, tráfico de pessoas, turismo sexual e exploração sexual de crianças.

Finalmente em São Tomé e Príncipe a avaliação é positiva, embora com preocupações ligadas à discriminação da mulher, trabalho infantil, abusos sexuais e corrupção.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.