Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/04 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/04 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/04 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 21/04 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/04 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/04 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/04 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/04 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/04 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Sociólogo duvida do fim da política africana da França

Sociólogo duvida do fim da política africana da França
 
O presidente francês, Emmanuel Macron, em Abidjan. 30 de Novembro de 2017. ISSOUF SANOGO / AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, destacou-se na cimeira da União Africana-União Europeia, na Costa do Marfim, ao propor uma reunião de emergência sobre a escravatura na Líbia. Um dia antes, em Ouagadougou, no Burkina Faso, Emmanuel Macron afirmou que “deixou de haver política africana da França”, uma frase em que não crê o sociólogo cabo-verdiano Luiz Silva.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na terça-feira, na Universidade de Ouagadougou, no Burkina Faso, que “deixou de haver política africana da França". Macron disse querer virar várias páginas históricas, nomeadamente a da colonização, marcada por “crimes incontestáveis”.

Não vim aqui para fazer um discurso para abrir uma nova página na relação entre a França e África. Não vim aqui para vos dizer qual é a política africana de França porque deixou de haver uma política africana da França. Há uma política que podemos conduzir, mas há sobretudo um continente que devemos olhar de frente”, afirmou o presidente francês.

O sociólogo cabo-verdiano Luiz Silva, a residir em Paris, não crê que seja possível o fim da política africana de França, ainda que admita que Emmanuel Macron tenha “um olhar diferente” sobre o continente.

Neste magazine, Luiz Silva comenta, também, as medidas contra o tráfico de migrantes anunciadas na reunião de emergência sobre a Líbia, uma iniciativa do presidente francês, à margem da cimeira da União Europeia-União Africana.

Os africanos não devem esperar pelo Macron para vir resolver essa questão” da escravatura, defendeu, sublinhando que há outras situações semelhantes no continente e que “o que se passa hoje em África é um problema dos africanos”.

Reagindo à acusação do presidente da União Africana, Alpha Condé, na semana passada, em Paris - que acusou a União Europeia de ser a responsável das condições de vida dos migrantes na Líbia - o sociólogo disse tratar-se de “um erro crasso do Alpha Condé” e que “a Europa não pode ser continuamente responsável pelos males de África”.

Oiça a entrevista completa clicando na imagem principal.


Sobre o mesmo assunto

  • Costa do Marfim

    Cimeira UA/UE arranca com os olhos postos na Líbia

    Saber mais

  • Revista de Imprensa

    Macron e sua nova parceria para África

    Saber mais

  • Convidado

    Jovens africanos são oportunidade para Europa envelhecida

    Saber mais

  • França

    Macron defende que "deixou de haver política africana da França"

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.