Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 17/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 21/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 17/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 21/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 17/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 21/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 17/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 21/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Urgente
Croácia apurou-se para oitavos de final derrotando a Argentina por 3 a 0
África

Marie-Christine Saragosse perdeu o mandato de Presidente da FMM

media Marie-Christine Saragosse anunciou ontem à noite que o seu mandato de Presidente da FMM tinha "caído". FMM

Marie-Christine Saragosse, Presidente de France Médias Monde, grupo ao qual pertence a Radio França Internacional, anunciou ontem em comunicado aos colaboradores do grupo que o seu mandato na chefia do grupo tinha "caído" devido a um imbróglio administrativo.

"Tomei conhecimento, com estupefacção, de que o meu mandato de Presidente da France Médias Monde tinha caído", foi deste modo que Marie Christine Saragosse deu a notícia ontem à noite por comunicado aos funcionários do grupo que abrange a RFI, a Radio Monte Carlo Doualiya e o canal de televisão France 24. Nesta missiva a Presidente do grupo indicou que o seu mandato tinha caído automaticamente por não ter feito atempadamente a sua declaração de património à Alta Autoridade para a Transparência da Vida Pública, após a renovação do seu mandato no passado mês de Outubro.

Em virtude de uma lei de 2013, todos os responsáveis públicos, desde directores de empresas estatais até titulares de cargos políticos, o que representa ao todo umas 15 mil pessoas, têm que transmitir à Alta Autoridade para a Transparência da Vida Pública a declaração do seu património no prazo de dois meses depois da sua tomada de funções. Em comunicado, Marie-Christine Saragosse, Presidente da FMM desde 2012, referiu ter procedido a esta declaração em 2013 e em 2015, após ter sido formalmente solicitada neste sentido pela entidade em questão. Só que desde 2016, são os próprios mandatários públicos que têm que fazer essa declaração directamente em linha. No seu comunicado, Marie Christine Saragosse refere não ter sido informada sobre os novos procedimentos e "ter esperado de boa-fé que lhe fosse solicitada" a declaração.

Nesta mesma mensagem, a dirigente informa que vai ser organizada rapidamente uma reunião extraordinária do Conselho de Administração no intuito de definir as modalidades de uma coordenação transitória do grupo, Marie Christine Saragosse referindo ainda que será candidata no caso de o CSA, o Conselho Superior do Audiovisual, lançar um novo processo de nomeações para a direcção da FMM.

Os membros do CSA , refira-se, deviam reunir-se hoje para analisar as modalidades de nomeação de uma nova equipa para dirigir a radio nacional, Radio France, cujo responsável Mathieu Gallet foi exonerado no passado 31 de Janeiro, depois de ter sido condenado pela justiça por favoritismo num concurso público.

Num plano mais amplo, isto sucede também numa altura em que o governo se prepara até finais de Março a lançar uma vasta reflexão sobre eventuais reformas no audiovisual público, uma eventualidade mencionada por alguns sindicatos do sector que, ao reagir à queda do mandato de Marie Christine Saragosse, teceram advertências ao governo. O sindicato FO ironizou perguntando "quem será o próximo?" enquanto o SNJ, Sindicato Nacional dos Jornalistas, considerou que "o futuro do audiovisual público não pode ser decidido no segredo dos gabinetes ministeriais, com dirigentes às ordens", pelo que esta central pede a suspensão das negociações "até que sejam nomeados dirigentes legítimos para as referidas empresas".

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.