Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 11/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 11/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 11/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 11/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Nova rede social aposta em “sistema económico mais justo”

Nova rede social aposta em “sistema económico mais justo”
 
Rede social Indigo vai ser oficialmente lançada em Novembro. https://www.facebook.com/IndigoCommunity/

Uma rede social de entreajuda, chamada “Indigo”, vai ser oficialmente lançada em França, em Novembro, e depois vai ser apresentada em Portugal, na Grécia e na Costa do Marfim. A ideia é de Stéphane de Freitas, um francês com origens portuguesas, que fala na “primeira rede social mesmo social” e que é baseada num “sistema económico mais justo”.

Tive o privilégio de ser convidado, no início deste ano, para o salão VivaTech (Paris) e pude falar no palco logo após o Mark Zuckerberg. Anunciei que a Indigo podia ser a primeira rede social mesmo social. Hoje, as redes sociais só fazem ‘business’, mas há 600 milhões de pessoas que, no dia-a-dia, nem sequer podem ter acesso a comida ou roupa ou coisas elementares para a vida delas”, explica Stéphane de Freitas.

A rede “Indigo” vai chegar ao público depois de uma fase de testes de dois anos e meio, em que estiveram inscritas 24.000 pessoas. A tecnologia nasceu graças a um projecto de financiamento participativo na internet que teve o apoio da Microsoft. Na origem da rede esteve a associação La Coopérative Indigo, criada por Stéphane de Freitas, cujo objectivo era facilitar os laços sociais e contrariar as deigualdades sociais. O artista e “empresário social” tentou imaginar “o sistema económico mais justo que pudesse existir”.

Fui ver economistas, alguns conhecidos, e eles disseram-me que este sistema se um dia existisse, seria uma revolução e realmente um meio para mudar o mundo, mas que era uma utopia, um sonho”, contou.

A rede substitui o dinheiro pela entreajuda. Um membro pode oferecer um bem ou um serviço a alguém ou a uma associação que necessite e ganha pontos. Quantos mais pontos tiver, mais facilmente também poderá aceder a outros bens e serviços que ele próprio precise.

Stéphane de Freitas, de 32 anos, acredita que a sua geração é capaz de mudar “uma sociedade em pirâmide para algo muito mais colaborativo” graças, também, à forma como domina a internet.

Além de França, onde nasceu, o jovem decidiu lançar oficialmente a aplicação em Portugal, Grécia e Costa do Marfim devido ao espírito de solidariedade que considera existir nesses países.

Actualmente, Stéphane de Freitas está a preparar um documentário, intitulado "Solidarité", e que é financiado pela Netflix. O filme acompanha a história de cinco militantes associativos no Mali, Brasil, Nova Iorque e França e conta com a participação dos músicos Youssou N’Dour, Fatoumata Diawara, Ibrahim Maalouf, Seu Jorge, M, Nekfeu, entre outros.

O realizador foi nomeado, este ano, para os prémios do cinema francês Césars na categoria de “Melhor Filme Documentário” com o filme “À voix haute : La Force de la parole”. Quando saiu na internet, em 2016, o filme teve mais de um milhão de visualizações em sete dias.

O documentário retrata o concurso de eloquência e uma pedagogia para a oralidade que ele criou e que foram adoptadas por 60 escolas em França e 100 novas escolas devem fazê-lo em breve, tendo o conceito sido exportado para outros países.


Sobre o mesmo assunto

  • Ciência

    Planeta, ONU dá último grito!

    Saber mais

  • Ciência

    "Luta contra o cancro vale Nobel"

    Saber mais

  • Ciência

    Cientistas estudam efeitos dos ómega 3 na saúde humana

    Saber mais

  • Ciência

    Antes brincavam na rua, hoje com telemóveis

    Saber mais

  • "Declaração de Maputo" privilegia saúde em África

    Em Maputo estão reunidos até esta terça-feira ministros da saúde para debatem as prioridades para construir sistemas de saúde pública …

  • 3ª edição do Web Summit em Lisboa

    3ª edição do Web Summit em Lisboa

    O Web Summit decorre de 5 a 8 de Novembro, sendo esperadas cerca de 70 mil pessoas, no Altice Arena e na FIL em Lisboa, a capital portuguesa. O evento divide-se entre …

  • Escutar para melhor anticipar doenças da terceira idade

    Escutar para melhor anticipar doenças da terceira idade

    Um estudo recente de Maria Piedade Brandão, docente da Universidade de Aveiro, e investigadora do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços …

  • China inaugura mais comprida ponte sobre o mar no mundo

    China inaugura mais comprida ponte sobre o mar no mundo

    Após nove anos de construção e muitas polémicas envolvendo acidentes de trabalho, investigações sobre alegada corrupção, …

  • Planeta, ONU dá último grito!

    Planeta, ONU dá último grito!

    O último relatório do Grupo Intergovernamental de especialistas sobre a Evolução do Clima da ONU alerta para a urgência de reduzir as …

  • "Luta contra o cancro vale Nobel"

    O prémio Nobel da Medicina foi entregue aos investigadores norte-americano, James P Allison, e ao japonês,Tasuko Honjo, pelas descobertas alcançadas …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.