Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

“A luta diária” de Maria Mota contra o parasita da malária

“A luta diária” de Maria Mota contra o parasita da malária
 
Investigadora portuguesa Maria Mota distinguida com o Prix Sanofi-Institut Pasteur. https://www.sanofi.com/fr/science-et-innovation/decouvrez-les-la

A cientista portuguesa Maria Mota, que há 20 anos trava “uma luta diária” contra o parasita da malária, acaba de receber, em Paris, um prémio do Institut Pasteur. Numa altura em que a OMS divulgou o relatório anual sobre a situação da malária no mundo, a investigadora alerta que a estagnação da doença não é uma boa notícia e deve servir de alerta para a comunidade científica não baixar os braços.

As mortes provocadas pela malária em todo o mundo diminuíram em 2017, mas a redução de casos que se registava desde o início da década estagnou. O anúncio foi feito pela Organização Mundial de Saúde num relatório divulgado esta segunda-feira.

A malária matou 435.000 pessoas em 2017 contra 607.000 em 2010. Mais de 90 por cento dos casos e das vítimas mortais estão no continente africano e a maioria são crianças. A seguir à Nigéria e à República Democrática do Congo, Moçambique é o terceiro país com maior percentagem (5%) de casos no mundo e o oitavo onde a doença mais mata (3% do total de vítimas).

Isto é que vai ser o problema. Nós estávamos bastante confiantes, achávamos que tínhamos as ferramentas, mas está-se a chegar agora a esta estagnação. É que chegámos a um ponto em que nós reduzimos muito, reduzimos cerca de 50% das mortes nos últimos 10,15 anos, mas, agora, as últimas não estamos a conseguir combatê-las. Provavelmente porque vamos precisar de novas ferramentas e para isso é que é preciso investir em investigação para criar novas descobertas e novas maneiras de racionalmente nós desenharmos novas armas de combate”, explicou Maria Mota à RFI.

Nesta entrevista, a investigadora fala do Prix Sanofi-Institut Pasteur que acaba de receber, da situação da malária em África, nomeadamente, nos países afro-lusófonos, da dificuldade em erradicar a doença e da luta diária que trava, em laboratório, contra o parasita "Plasmodium".


Sobre o mesmo assunto

  • Moçambique/OMS

    Malária: problema de saúde pública em Moçambique

    Saber mais

  • Angola

    Angola: Malária matou 2100 pessoas

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Casos de malária aumentam em Cabo Verde

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Cidade da Praia com menos casos de malária

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Cabo Verde pode erradicar Malária em 2020

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Cabo Verde distinguido na luta contra a malária

    Saber mais

  • Cabo Verde: Plástico, a ameaça silenciosa

    Cabo Verde: Plástico, a ameaça silenciosa

    No mês em que se assinala o dia Internacional Sem Sacos de Plásticos viajamos até Cabo verde que em 2017 adoptou uma lei que defende a eliminação dos sacos plástico no …

  • Ondas de calor “cada vez menos invulgares”

    Ondas de calor “cada vez menos invulgares”

    A onda de calor que atingiu a Europa no final de Junho foi marcada por recordes de temperatura, mas um fenómeno como este “é cada vez menos invulgar”. O aviso é dado …

  • Le Bourget: Airbus e Boeing com mais de 600 encomendas

    Le Bourget: Airbus e Boeing com mais de 600 encomendas

    Encerrou este domingo a Feira da Aeronáutica e do Espaço do Bourget, perto de Paris. Durante uma semana, mais de 2.000 expositores, oriundos de 48 países, mostram aos …

  • Lepra: uma doença que escapa à erradicação

    Lepra: uma doença que escapa à erradicação

    No Magazine Ciência vamos falar da lepra. A lepra é uma infecção crónica causada por duas bactérias. A doença é transmitida essencialmente entre pessoas. A lepra é mais …

  • “Educar os filhos sem bater

    “Educar os filhos sem bater", a beleza da infância

    “Educar os filhos sem bater” é o novo livro do psicólogo angolano Nvunda Tonet. Um ensaio sobre parentalidade positiva que visa servir de auxílio aos pais. Numa sociedade …

  • Taxa de seroprevalência aumenta em Moçambique

    Taxa de seroprevalência aumenta em Moçambique

    Moçambique registou um aumento da taxa de seroprevalência que atinge agora os 13,2% e coloca os pais entre os cinco piores do mundo. As conclusões fazem parte de uma …

  • Os oceanos deverão subir dois metros em 80 anos

    Os oceanos deverão subir dois metros em 80 anos

    Um novo estudo publicado na revista da Academia Americana das Ciências dá conta da probabilidade que a elevação do nível dos oceanos seja ainda mais grave.O estudo agora …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.