Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Proibição de bombas de fragmentação em debate na ONU

media Operação de desminagem Portal de Angola

Os países participantes da Convenção de Oslo, pela proibição e fabrico de bombas de fragmentação estão reunidos em Genebra, no Palácio das Nações para uma avaliação da situação atual com o Observatório das Minas e Munições.

Embora 102 países já tenham assinado e ratificado a proibição do fabrico e uso das bombas de fragmentação, por serem um tipo de arma que fere principalmente a população civil, que representa 98% das vítimas 36% das quais são crianças, de acordo com o Observatório das Minas e Munições, uma dezena de países continuam a fabricá-las ou utilizá-las principalmente nos conflitos da Síria e no Iémen.

Além disso, explosões podem ocorrer muitos anos depois de terminados os conflitos, exigindo operações de desminagem custosas e perigosas.

Rui Martins, correspondente em Genebra 31/08/2017 ouvir

Angola, um dos países mais minados do mundo, deverá completar a desminagem da totalidade do seu território até 2025, mas faltam ainda desminar mais de 40% das àreas identificadas e o apoio internacional para estas operações caiu de quase 90%, neste momento apenas os Estados Unidos, Japão e Suiça mantêm as ajudas

Na província do Huambo, no leste de Angola, das 3500 vítimas repertoriadas nos últimos anos, 43% deveram-se a bombas de fragmentação e ainda neste último ano foram desativadas bombas não explodidas.

Moçambique fará uma dupla comunicação na próxima semana no Palácio das Nações em Genebra, dado que o país já terminou a desminagem de minas-antipessoais e a de bombas de fragmentação.

O Brasil, não signatário da Convenção de Oslo que data de 2008, fornece à Arábia Saudita bombas de fragmentação fabricadas pela empresa Avibras, que são utilizadas no Iémen, denuncia o Observatório das Minas e Munições.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.