Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 10/12 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 11/12 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 10/12 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/12 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 10/12 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 11/12 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 10/12 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/12 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 10/12 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 11/12 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 10/12 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/12 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 10/12 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 11/12 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 10/12 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 11/12 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Trabalhadores da ENP reclamam salários com vigília

media Logótipo do Banco de Poupança e Crédito de Angola BPC

400 trabalhadores da Empresa Nacional de Pontes (ENP), empresa pública na falência, retomaram hoje a sua vigília junto da empresa para reclamar mais de quatro anos de salários em atraso.

Os trabalhadores querem falar sobre os 47 meses sem salários, sobre as esposas que abandonaram as casas, sobre a falta de dinheiro para pagar a escola, comida e roupa para os filhos.

Angola continua a viver uma onda de greves associadas ao momento de crise económica e que já levou à falência de centenas de empresas.

A Empresa Nacional de Pontes é uma das empresas públicas que conheceu a falência e levou ao desemprego mais de 400 trabalhadores que reivindicam o pagamento de 47 meses de salários em atraso.

Os trabalhadores retomaram uma vigília na entrada da empresa sob o lema "sem salários, a pobreza e a fome está aqui".

Segundo os trabalhadores reconstruíram muitas pontes e em tempos de paz estão sem trabalho.

O governo não tem cumprido com os compromissos assumidos com os trabalhadores em relação à liquidação de salários em atraso e o enquadramento do sistema de segurança social.

A maioria das empresas públicas em Angola estão tecnicamente falidas e empurraram milhares de angolanos para o desemprego como nos dá conta o nosso correspondente em Luanda, Avelino Miguel.

Correspondência de Angola 06/12/2017 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.