Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/03 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 24/03 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/03 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/03 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/03 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 24/03 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/03 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/03 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/03 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 24/03 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/03 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/03 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/03 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 24/03 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/03 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/03 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Filmes de João Viana rodados em Moçambique

Por
Filmes de João Viana rodados em Moçambique
 
João Viana, realizador de cinema luso-angolano. Berlinale

O realizador luso-angolano João Viana tem dois filmes filmados em Moçambique no Festival de cinema de Berlim. Tratam-se da curta-metragem Madness, e da longa Our Madness. Ele revela o advento de um novo produtor de filmes africanos, o Qatar e confessa o seu interesse pelo Brasil.

 

Pela segunda vez, o realizador angolano João Viana consegue ter dois filmes selecionados no Festival Internacional de Cinema de Berlim, tratando do mesmo tema, mas com formatos diferentes, um sendo curta-metragem e o outro uma longa.

Há quatro anos, trouve da Guiné Bissau os dois filmes Tabatô e A Batalha de Tabatô, um versão ficção e a outra documentário, ganhando uma menção especial.

Para João Viana, os maus efeitos do colonialismo fazem-se sentir fortemente também no cinema, sempre carente de financiamento. E isso obriga a que os talentos sejam forçados a optar pela diáspora.

Os emigrantes africanos vão à Europa buscar dinheiro para as suas famílias e, igualmente, os realizadores africanos de filmes buscam no exterior o financiamento para os seus filmes sobre o continente negro.

Geralmente o dinheiro vem da Europa, mas João Viana revela um outro país interessado em financiar o cinema africano: o Qatar, com o apoio do qual contou na realização dos seus fois filmes. "Vamos buscar dinheiro fora" para os filmes, através da diáspora".

Embora não tenha ainda trabalhado no Brasil, sente-se  também tentado pelo gigante sul-americano, pois o futuro do cinema africano está na Europa, Ásia e Brasil, diz ele.

E cita o órgão brasileiro de financiamento de cinema a Ancine. O momento favorece o cinema dos países emergentes, acentua João Viana, e as conexões de financiamento estão atentas.

Para João Viana nem o formato mais lento dos filmes é um obstáculo a uma participação maior dos profissionais de cinema africano e português no Brasil.

Ele acredita que o público brasileiro saberá gostar dos filmes mais intimistas e mais criativos que os africanos podem oferecer.

Depois do Festival, João Viana terá uma residência artística em Berlim, até o final do ano.

Será o momento de voltar a Angola, ele que está baseado sobretudo em Lisboa. Angola onde fará seu próximo filme.

"A nossa vida é um bocadinho (de) saltimbanco", conclui o realizador.


Sobre o mesmo assunto

  • Convidado

    A fotografia em Berlim por Rui Poças

    Saber mais

  • CINEMA

    Abertura do Festival de cinema de Berlim

    Saber mais

  • Portugal

    Português Diogo Costa Amarante no Júri de cinema de Berlim

    Saber mais

  • Berlim

    Curta portuguesa recebe Urso de Ouro em Berlim

    Saber mais

  • Moçambique:

    Moçambique: "A ver se acontece algum milagre"

    À "espera de algum milagre" mas "conformados" é a forma como alguns moçambicanos se sentem depois da destruição deixada pelo ciclone Idai. Na Catedral da Beira, este …

  • Moçambique: Número de mortos continua a aumentar

    Moçambique: Número de mortos continua a aumentar

    No centro de Moçambique continuam as operações de regaste, depois da passagem do ciclone Idai ter deixado um rasto de destruição inigualável.A imagem área da cidade da …

  • Cidade da Beira pode ser engolida pelo mar

    Cidade da Beira pode ser engolida pelo mar

    As autoridades moçambicanas fizeram uma nova actualização quanto ao número de vítimas provocadas pelo ciclone Idai, subiram para 293 o número de pessoas que perderam …

  • Brexit: 27 unidos, até quando?

    Brexit: 27 unidos, até quando?

    Os líderes da União Europeia estão hoje reunidos em Bruxelas para discutir o pedido de adiamento do Brexit apresentado pelo Governo britânico.A faltar pouco mais de uma …

  • Estado de emergência em Moçambique

    Estado de emergência em Moçambique

    Depois da passagem do ciclone Idai, que devastou a cidade da Beira, os voluntários multiplicam-se em Moçambique para socorrer à crise humanitária que atinge o país.

  • Crise humanitária em Moçambique

    Crise humanitária em Moçambique

    Em Moçambique a situação agrava-se depois da passagem do ciclone Idai que devastou a cidade da Beira. Largas dezenas de pessoas perderam a vida. Segundo dados do Instituto …

  • Campos Elísios acordam de um pesadelo

    Campos Elísios acordam de um pesadelo

    A XVIII manifestação dos coletes amarelos queria ser uma resposta ao fim do "Grande Debate" nacional conduzido pelo Presidente francês. Na avenida dos Campos Elísios …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.