Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 21/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 21/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 21/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 21/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Bispos pedem a João Lourenço que prossiga as reformas

media Dom Manuel Imbamba, porta-voz da CEAST. apostoladoangola.org

Os bispos de Angola pediram hoje ao Presidente João Lourenço que prossiga o caminho das reformas e agradeceram o levantamento da proibição do sinal da rádio Eclésia.

No comunicado de imprensa apresentado pelo vice-presidente e porta-voz da Conferência Episcopal Angola São Tomé, José Manuel Imbamba, os bispos católicos agradeceram ao chefe de Estado, João Lourenço, o levantamento da proibição do sinal da rádio Eclésia.

"Virando o olhar para a realidade do país, os prelados agradecem ao (...) Presidente João Lourenço pelo levantamento da proibição da extensão do sinal da rádio Eclésia a todo o país", salientou.

Desde a sua fundação em 1955 que a rádio Eclésia, emissora católica de Angola, sempre emitiu para todo o território. Em 78 a emissora é extinta devido aos acontecimentos trágicos ocorridos a 27 de Maio de 1977.

No final da década de 90 a rádio Eclésia é reinaugurada no edifício da CEAST emitindo apenas em Luanda. Um acordo celebrado em 2011 entre o MPLA e a Igreja Católica para que a instituição apoiasse a campanha eleitoral poderá ter criado expectativas, todavia a decisão de alargar o sinal chegou com o chefe de Estado João Lourenço.

“Para que a Rádio Eclésia possa expandir o seu sinal em todo território nacional, não há necessidade de nenhum pronunciamento do Presidente da República. Nós consideramos que desde que se respeite a lei, sobretudo a lei da Rádio Difusão, a Rádio Eclésia pode perfeitamente expandir o seu sinal a todo território nacional, se tem todo investimento para que assim possa acontecer, pode começar de imediato. Que se prepare que faça os investimentos necessários e na certeza de que da nossa parte, nós não encontramos problemas absolutamente nenhum em que a rádio Eclésia estende o seu sinal ao território nacional", dizia o chefe de Estado durante uma conferência de imprensa no passado dia 8 de Janeiro, em Luanda.

"Prosseguir no caminho da reforma do Estado"

Os bispos apelaram ainda ao Presidente João Lourenço para que continue as reformas do Estado angolano. “Encorajam-no a prosseguir no caminho da reforma do Estado para que todos primemos pela dignidade, honra e nobreza de espírito. Fazendo com que as assimetrias regionais desapareçam, a cultura da justiça se afirme e os bens de todos a todos beneficiem”, concluiu o porta-voz da Conferência Episcopal Angola São Tomé, José Manuel Imbamba.

Os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) estiveram reunidos na província do Namibe, de 8 14 de Março, durante a primeira assembleia plenária anual dos bispos.

José Manuel Imbamba, vice-presidente e porta-voz da CEAST 14/03/2018 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.