Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Cabinda: greve na administração pública e saúde

media Mapa de Cabinda. RFI

Em Cabinda decorre entre hoje, 13/6/2018, e dia 15 uma greve dos funcionários da administração pública e da saúde. E isto não obstante as negociações terem começado no passado dia 11. Em causa está a retirada da folha de salários de 1 775 funcionários públicos desde o mês de Abril.

De acordo com Manuel Guilherme Tati Macaia, secretário-geral da União dos sindicatos de Cabinda, a paralisação começou às 8 horas desta quarta-feira.

Segundo ele tratam-se de 64 000 funcionários públicos em Angola que estariam nesta situação ao terem sido retirados da folha salarial desde Abril.

Uma segunda fase de greve está agendada para o final do mês.

O sindicato não exclui uma terceira fase caso não haja entendimento com o executivo local.

Os serviços mínimos, como estipulado pela lei, estão garantidos a nível de "bancos de urgência, hemoterapia, maternidade, cemitérios".

A greve foi declarada dia 6, o diálogo começou no dia 11 e prosseguiu nesta terça-feira.

Segundo Manuel Macai o executivo local de Cabinda emitiu um comunicado alegando não haver vontade negocial por parte dos grevistas o que ele descarta.

"Sempre estivemos abertos, sempre estivemos receptivos ao diálogo porque somos os principais interessados na resolução deste problema", afirmou o responsável sindical.

Ouça aqui o seu relato deste primeiro dia de greve em Cabinda por parte dos funcionários públicos e da saúde.

Manuel Guilherme Tati Macaia, secretário-geral da União dos Sindicatos de Cabinda 13/06/2018 ouvir

Esta greve coincide com fortes reivindicações sociais em Angola, caso dos professores do Huambo e dos enfermeiros de Luanda ou ainda a recente paralisação na capital dos oficiais de justiça.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.