Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Refugiados da RDC no Dundo sobrevivem com o abate de árvores

media Refugiados da RDC no campo do Dundo, Lunda Norte, Angola, em Maio de 2017. RFI/Daniel Frederico

A situação precária dos refugiados da República Democrática do Congo em Angola foi denunciada esta Segunda-feira pelo Padre Colme Reide, pároco de São José de Sachindongo, na Diocese do Dundo na Lunda Norte, nos meios de comunicação social angolanos.

De acordo com o pároco, “actualmente a única fonte de receita para os refugiados é o carvão" resultante do abate das árvores, apesar de ser sabido que esta prática é prejudicial para o meio ambiente.

Ao referir que os refugiados “são pessoas que querem trabalhar, querem melhorar as suas condições de vida", o Padre Colme Reide sublinha que "estão a viver numa situação bastante precária em termos de acesso aos medicamentos. A pessoa doente apresenta-se ao Hospital e o hospital não tem possibilidade de cuidar da pessoa doente”, lamenta o pároco antes de acrescentar que paralelamente “o Estado tem farmácia onde tem “de tudo” só que é preciso dinheiro e os refugiados não estão isentos desta situação”.

De referir que no último ano e meio, 33 mil congoleses fugindo à violência no seu país foram chegando a Angola e acabaram por lá encontrar refúgio, essencialmente na província da Lunda Norte, que faz fronteira com a RDC. De acordo com dados das autoridades angolanas, 11 mil desses refugiados regressaram voluntariamente ao seu país este ano, os restantes tendo sido acantonados no campo de refugiados do Lóvua, Mussunge e Cacanda.

Mais pormenores com Daniel Frederico.

Daniel Frederico, correspondente da RFI em Angola 23/07/2018 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.