Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 25/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 25/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 25/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 25/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Angola pede ajuda financeira ao FMI

media Agola pede ajuda financeira ao FMI

Angola pediu ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional. O economista angolano, Yuri Quixina, admitiu à RFI que o pedido de ajuda já era previsível considerando o "estado das contas públicas no país". O programa de financiamento deverá ser de dois anos, podendo ser estendido em mais, e as negociações vão começar em Outubro.

De acordo com o comunicado do ministério das Finanças de Angola este apoio "resulta da necessidade de fazer face à evolução económica mais recente, com vista à implementação do Programa de Estabilização Macroeconómica e do Plano de Desenvolvimento Nacional 2018/2022".

O economista angolano, Yuri Quixina, reconhece que este apoio era previsível considerando o estado das contas públicas de Angola.

"Já era de esperar, porque os indicadores económicos, do ponto de vista das finanças públicas, não estão muito bons. Nós temos um défice orçamental acima dos 3%. Nós temos a despesa e percentagem do PIB a aumentar. Nós temos uma economia capitalista do Estado, o Estado é que faz tudo. Isso não é muito bom, é fundamental organizar isso", adianta.

Neste processo, Yuri Quixina admite que a intervenção do Fundo Monetário Internacional vai exigir do executivo angolano uma política económica eficaz e por isso espera que o executivo aplique reformas que não se traduzam apenas no aumento de impostos.

"Vai exigir (do governo) uma equipa económica muito inteligente, para que o pacote do FMI não venha apenas tirar dinheiro dos bolsos dos pagadores de impostos, para pagar taxas de juros do FMI", acrescenta.

A liberalização do mercado, o aumento das privatizações e a criação de postos de trabalho são algumas das reformas defendidas pelo professor de macroeconomia para colocar Angola no caminho do desenvolvimento. “As políticas protecionistas não vão salvar Angola”, concluiu.

O programa de financiamento deverá ser de dois anos, podendo ser estendido em mais, e as negociações vão começar em Outubro com um envio de uma nova equipa de técnicos do FMI ao país.

Yuri Quixina, economista e professor de macroeconomia em Angola 21/08/2018 ouvir
Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.