Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 17/02 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/02 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/02 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 17/02 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/02 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/02 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 17/02 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/02 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/02 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 17/02 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/02 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/02 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Operação Resgate lançada em Angola

media Polícias no Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais. Luanda, Angola, 26 de outubro de 2018. LUSA/ AMPE ROGÉRIO

A Operação Resgate é lançada esta terça-feira, em Luanda, na presença do ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares. A operação, qui vai decorrer em todo país, visa “resgatar a autoridade do Estado”, nomeadamente, combater o crime e a imigração ilegal, reforçar a ordem pública, ordenar a venda ambulante e travar o comércio ilegal de acessórios de viaturas.

Combater o crime e a imigração ilegal ou lutar contra a venda ambulante desordenada são alguns dos objectivos da “Operação Resgate”.

O ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, sublinhou que “as operações de segurança não se circunscrevem apenas aos comportamentos criminais previstos na legislação penal, mas a todas as outras condutas que põem em causa a paz social e a qualidade de vida das populações”.

Ângelo da Veiga Tavares, ministro angolano do Interior 30/10/2018 ouvir

O comandante-geral da polícia angolana, Paulo de Almeida, disse, na semana passada, que o nível de criminalidade no país “ainda é preocupante” e que se regista, sobretudo, nas principais capitais das províncias.

“Queremos baixar consideravelmente os níveis de crimes para que isso traga aos cidadãos um maior sentimento de segurança”, afirmou.

Paulo de Almeida apontou o “resgate da autoridade do Estado” como um dos fundamentos da “Operação Resgate”, que deve envolver todos os efectivos da polícia angolana e órgãos de justiça, administrativos e de segurança.

O responsável pediu à população “compreensão” da operação, que terá caráter “repressivo, pedagógico e orientador”.

Também o director do gabinete de comunicação institucional e imprensa do Comando Geral da Polícia Nacional de Angola, Orlando Bernardo, disse que “essa operação será levada de forma muito séria, de forma muito contundente” e lembrou que “uma das referências dessa operação é não haver excessos na actuação dos efectivos e de todos os órgãos da administração local”.

Orlando Bernardo, director do gabinete de comunicação da Polícia nacional de Angola 30/10/2018 ouvir

Paralelamente, está a decorrer a “Operação Transparência”, desde 25 de Setembro, em sete províncias angolanas - Lunda Norte, Lunda Sul, Moxico, Bié, Malanje, Uíje e Zaire - que visa o combate à imigração ilegal e à exploração indevida de diamantes.

A operação registou o repatriamentode mais de 380.000 cidadãos estrangeiros, a apreensão de mais de um milhão de dólares, 17.000 quilates de diamantes, 51 armas de fogo e o encerramento de centenas de casas de compra e venda de diamantes e de 91 cooperativas.

Com a colaboração de Daniel Frederico em Luanda.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.