Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 16/12 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/12 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/12 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 16/12 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/12 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/12 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 16/12 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/12 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/12 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 16/12 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/12 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/12 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Médicos ameaçam fazer greve em Angola

media Novo Hospital Geral de Luanda, construído com apoio da China. Heriberto Araujo /Juan Pablo Cardenal

Após terem-se reunido este fim-de-semana em Luanda no âmbito do Fórum nacional de Auscultação dos Médicos de Angola, os profissionais do sector decidiram efectuar uma greve nacional de 3 dias a partir do dia 19 de Novembro no caso de o governo não responder pela positiva às suas reivindicações, entre as quais constam a exigência de melhores salários e condições de trabalho.

Os médicos pretendem também com este movimento obter um regular abastecimento das unidades sanitárias em fármacos e material gastável, sendo que o Sindicato Nacional dos Médicos Angolanos contesta o novo regime remuneratório anunciado pelo governo. No comunicado emitido pelo sindicato, ficou contudo a garantia que, a confirmar-se este movimento de greve, os médicos vão assegurar o serviço mínimo nos hospitais e centros médicos, designadamente nos departamentos de quimioterapia, radioterapia, diálise ou ainda urgências internas.

De referir que poucos médicos têm aderido recentemente aos concursos públicos para admissão nos serviços nacionais de saúde alegando a falta de incentivos neste sector em crise. De acordo com o Ministério Angolano da Saúde que deve lançar um novo concurso público para atrair novos profissionais, o país conta com cerca de 3 mil médicos no desemprego. Mais pormenores com Avelino Miguel.

Avelino Miguel, correspondente da RFI em Angola 05/11/2018 ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.