Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 18/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Urgente
365 migrantes do barco Ocean Viking vão poder desembarcar em Malta

“Angola Janga”, uma história de resistência em BD

“Angola Janga”, uma história de resistência em BD
 
"Angola Janga", de Marcelo D'Salete, foi publicada em França em Abril de 2018. "Angola Janga", de Marcelo D'Salete

A banda desenhada “Angola Janga”, de Marcelo D’Salete, retrata um dos mais conhecidos focos de resistência negra do Brasil colonial e acaba de ser lançada em Portugal, depois de ter sido editada em França. Neste programa, falamos também com Marcello Quintanilha, que lançou agora, em França, a BD “Luzes de Niterói”.

Neste programa, damos-lhe a conhecer os universos gráficos e as histórias de Marcello Quintanilha e Marcelo D’Salete, dois autores brasileiros que estão a seduzir o mercado editorial da banda desenhada em França.

Uma história de resistência: “Angola Janga” de Marcelo D’Salete

Marcelo D’Salete dedicou 11 anos da sua vida a escrever e desenhar “Angola Janga, Uma história de Palmares”, um símbolo de liberdade durante a escravatura. O interesse de Marcelo D’Salete pelo tema surgiu em 2004 durante um curso sobre a história do Brasil, nomeadamente, sobre a história da população negra no país, e o livro foi editado em 2017 no Brasil e este ano em Portugal e em França.

O mesmo tema inspirou-o a fazer outra BD sobre a resistência dos escravos no Brasil, “Cumbe”, editada em 2014.

Agora, “Angola Janga” aborda o Quilombo dos Palmares, formado no fim do século XVI, em Pernambuco, de mocambos criados por escravos que fugiram. Por mais de 120 anos, Angola Janga foi como um reino africano dentro da América do Sul que se organizou e resistiu aos ataques das forças coloniais portuguesas. A história de “Angola Janga”, que significa “Pequena Angola”, na língua banto quimbundo, inspira-se nos grupos de origem angolana que foram obrigados a ir para o Brasil.

"Palmares ou Angola Janga foi constituído por mais de 20.000 pessoas. Eles estavam criando uma outra forma de sociedade bem diferente do modo extremamente hierárquico, violento do poder colonial", descreveu.

Para Marcelo D’Salete, a banda desenhada tem sido uma ferramenta para falar do Brasil contemporâneo e do passado colonial com um olhar irreverente e artístico.

"É uma tentativa de falar sobre o Brasil, no presente e também no passado, de uma perspectiva periférica e negra. São quatro livros até agora. Começou com o livro "Noite Luz", em 2008, e depois o livro "Encruzilhada", de 2011. Estes dois livros são livros muito urbanos, falando sobre o período actual em grandes cidades como São Paulo. Depois, veio o livro "Cumbe", de 2014, e o livro "Angola Janga", de 2017. São todos trabalhos que, de certo modo, estão olhando para a nossa sociedade de uma perspectiva periférica, marginal e, em grande parte, negra", explicou.

“As epopeias pessoais” em “Luzes de Niterói” de Marcello Quintanilha

Outro ilustrador brasileiro, Marcello Quintanilha, acaba de lançar em França a banda desenhada “Luzes de Niterói” e está a apresentar a obra em várias cidades francesas. Galardoado, em 2016, no Festival Internacional de Angoulême com o livro “Tungsténio, o autor teve uma exposição recente no Festival de BD da Amadora, em Portugal, onde também apresentou Luzes de Niterói, uma história de aventura e de amizade.

"Luzes de Niterói é uma história de aventura, mas também uma história de amizade. É a história de dois colegas que observam alguém que está pescando com explosivos e se lançam ao mar para tirar algum benefício dos peixes que restaram (...) É uma história que se passa nos anos 50 e é baseada na vida do meu pai que era jogador de futebol profissional nessa época", contou Marcello Quintanilha.

Porém, os dois amigos vão ser "surpreendidos por uma tempestade que vai fazer com que a relação de amizade deles seja posta à prova" devido "ao medo e risco de vida a que são submetidos".

A revista cultural francesa Telérama escreveu, a propósito de "Luzes de Niterói", que "com Quintanilha a banda desenhada brasileira encontrou o seu Homero", algo que para o autor se deve "à associação de metáforas que existem na história".

"Vidas relativamente banais que poderiam ser entendidas por muitas pessoas como vidas banais adquirem um carácter de epopeia que exalta a magnificência da mitologia de cada pessoa (...) Eu acredito muito na epopeia pessoal de cada um dos indivíduos por mais quotidianas e comezinhas que possam parecer essas vidas", referiu.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Angola

    "Em Angola éramos viciados na Marvel"

    Saber mais

  • França

    Festival de Banda Desenhada de Angoulême acusado de sexismo

    Saber mais

  • França

    O riso como arma contra o terrorismo

    Saber mais

  • Artes

    “Era Angola”, fantasmas da guerra em fotografia

    Saber mais

  • Convidado

    Primeiro livro sobre história da descolonização da Guiné-Bissau

    Saber mais

  • Filme

    Filme "Vitalina Varela" de Pedro Costa com dois Leopardos de Ouro em Locarno

    O filme "Vitalina Varela" a oitava longa metragem do realizador português Pedro Costa de 60 anos de idade, arrecadou no passado sábado (17/08) quatro prémios no Festival …

  • "Código Memória" preserva tempo de escuta

    O projecto "Código Memória" nasceu há um ano em Portugal e chegou este verão ao bairro belga de Matongé, pela mão de Hélder Wasterlain.O escritor, encenador ou ainda …

  • Angola conjuga umbundo e português

    Angola conjuga umbundo e português

    Chega às livrarias angolanas, esta sexta-feira, o dicionário de verbos conjugados em umbundu e português: “Três tempos num só modo”. O dicionário de 209 páginas traduz …

  • Lusofonia à prova em livro de receitas de África e da Europa

    Lusofonia à prova em livro de receitas de África e da Europa

    Há sabores lusófonos a criarem água na boca além-fronteiras. Marisco guineense em caldo de mancarra, cachupa cabo-verdiana, cabrito à moçambicana, polvo à maneira de …

  • O Roteiro sentimental de Cabo Verde com Vera Duarte

    O Roteiro sentimental de Cabo Verde com Vera Duarte

    No começo deste mês foi lançado, na Cidade da Praia, o livro "Cabo Verde: um roteiro sentimental, viajando pelas ilhas da Sodad, do Sol e da Morabeza", um guia de Cabo …

  •  Kakana: a nova música moçambicana

    Kakana: a nova música moçambicana

    Nesta edição de Artes vamos falar com dois elementos da banda Kakana de Moçambique, que esteve recentemente em Paris. Com Yolanda, cantora e Jimmy, guitarrista e compositor …

  • Portugal de novo distinguido pela UNESCO

    Portugal de novo distinguido pela UNESCO

    O Palácio Nacional de Mafra e o Santuário do Bom Jesus, em Braga, foram classificados, no domingo, Património Cultural Mundial da Humanidade. O Embaixador de Portugal …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.