Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/04 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/04 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/04 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/04 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/04 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/04 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/04 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/04 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/04 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/04 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Greve dos Caminhos de Ferro de Luanda

media A direcção dos Caminhos de Ferro de Luanda alega que não ter condições financeiras para proceder a aumentos salariais de 80%. Paulo Cunha/LUSA

Na ausência de um acordo entre os seus representantes e a entidade empregadora que estiveram reunidos na passada Sexta-feira, os 900 trabalhadores dos Caminhos de Ferro de Luanda iniciaram hoje uma greve por tempo indeterminado, para reivindicar melhores condições laborais e salariais, o Sindicato dos Trabalhadores daquela empresa reivindicando nomeadamente um aumento salarial de 80%.

No seu caderno reivindicativo que abrange uns 20 pontos, os grevistas reclamam também a melhoria dos subsídios de transporte, de instalação, alimentação e a implementação do seguro para o tratamento de doenças profissionais e de acidentes de trabalho, exigências às quais a direcção da empresa diz-se incapaz de responder alegando não beneficiar de condições financeiras para tal.

A empresa que vive dificuldades, sobrevive com o apoio do Ministério das Finanças, situação que os trabalhadores ignoram, acusando o Conselho de Administração de gestão danosa dos recursos financeiros disponíveis.

Desde as primeiras horas desta manhã, os trabalhadores têm apenas garantido os serviços mínimos. Dos 17 comboios da empresa, apenas circularam dois esta Segunda-feira. A greve que afecta a actividade laboral em Luanda, também cortou a circulação de passageiros e mercadorias entre a capital e as províncias do Kuanza-Norte e de Malanje. Mais pormenores com Avelino Miguel.

Avelino Miguel, correspondente da RFI em Angola 14/01/2019 ouvir
Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.