Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/07 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/07 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/07 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/07 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/07 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/07 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/07 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/07 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/07 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/07 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Pau de Cabinda proibido na União Europeia

Pau de Cabinda proibido na União Europeia
 
O Mercado dos Kwanzas, no município de Cazenga, em Luanda. 8 de Maio de 2019. AMPE ROGÉRIO/LUSA

A venda de Pau de Cabinda passou a ser proibida, a partir desta terça-feira, em todos os países da União Europeia. A decisão foi tomada perante "uma incerteza científica" sobre a segurança do uso da planta. O urologista Nuno Monteiro Pereira ficou “estupefacto" com a proibição, ainda que compreenda “a lógica da decisão”, e teme que passe a haver comercialização “absolutamente descontrolada e ilegal”.

Nativa da África Ocidental, a árvore do Pau de Cabinda é uma exclusividade angolana, já que nos países vizinhos, a planta é conhecida como yohimbe. Em chá, ampolas ou cápsulas, o Pau de Cabinda é utilizado um pouco por todo o mundo devido ao seu alegado potencial afrodisíaco.

A sua venda passou a ser proibida, a partir desta terça-feira, 14 de Maio, em todos os países da União Europeia. A decisão foi tomada perante "uma incerteza científica" sobre a segurança do uso da planta. O urologista Nuno Monteiro Pereira ficou “estupefacto" com a proibição, ainda que compreenda “a lógica da decisão” porque se trata de uma planta "com eficácia mas alguns riscos".

Fiquei um bocadinho estupefacto, tenho de o reconhecer. De qualquer modo não deixa de haver alguma lógica na decisão”, contou à RFI o urologista Nuno Monteiro Pereira. O médico argumentou que “sabe-se que [o Pau de Cabinda] tem eficácia, mas é uma eficácia com alguns riscos, sobretudo uma elevação súbita da tensão arterial”. Ou seja, há “riscos particularmente nos homens que já sofrem de hipertensão arterial”, tanto mais que muitos abusam na dose. A forma de controlar é a prescrição médica com doses determinadas e a transmissão de informação sobre os riscos.

Nuno Monteiro Pereira já viu “crises hipertensivas graves depois de tomarem Pau de Cabinda em chá em altas doses” e admite que a sobredosagem pode causar a morte. Porém, o sexólogo teme que a proibição da venda de Pau de Cabinda na Europa provoque uma comercialização “absolutamente descontrolada e ilegal”, por exemplo, através da internet, com a falta de controlo sanitário do próprio produto e a falta de aconselhamento aos consumidores.

Oiça a entrevista clicando na imagem principal.


Sobre o mesmo assunto

  • Ciência

    Os desafios da conservação da biodiversidade em Moçambique

    Saber mais

  • Ciência

    Moçambique: A vítima do aquecimento global

    Saber mais

  • Ciência

    Homo Luzonensis, “o primo que não sabíamos que existia”

    Saber mais

  • Ciência

    A doença de Parkinson

    Saber mais

  • Ciência

    Moçambique precisa de 50 milhões de Dólares para reflorestação

    Saber mais

  • Ciência

    Alergias: quando o corpo reage

    Saber mais

  • Ciência

    Saúde: África não quer deixar ninguém para trás

    Saber mais

  • Ciência

    Perturbação do sono afecta 78% da população francesa

    Saber mais

  • Ciência

    Paciente de Londres: "presente que veio com a compra do carro"

    Saber mais

  • Ciência

    O que revela o G Quadruplex

    Saber mais

  • Cabo Verde: Plástico, a ameaça silenciosa

    Cabo Verde: Plástico, a ameaça silenciosa

    No mês em que se assinala o dia Internacional Sem Sacos de Plásticos viajamos até Cabo verde que em 2017 adoptou uma lei que defende a eliminação dos sacos plástico no …

  • Ondas de calor “cada vez menos invulgares”

    Ondas de calor “cada vez menos invulgares”

    A onda de calor que atingiu a Europa no final de Junho foi marcada por recordes de temperatura, mas um fenómeno como este “é cada vez menos invulgar”. O aviso é dado …

  • Le Bourget: Airbus e Boeing com mais de 600 encomendas

    Le Bourget: Airbus e Boeing com mais de 600 encomendas

    Encerrou este domingo a Feira da Aeronáutica e do Espaço do Bourget, perto de Paris. Durante uma semana, mais de 2.000 expositores, oriundos de 48 países, mostram aos …

  • Lepra: uma doença que escapa à erradicação

    Lepra: uma doença que escapa à erradicação

    No Magazine Ciência vamos falar da lepra. A lepra é uma infecção crónica causada por duas bactérias. A doença é transmitida essencialmente entre pessoas. A lepra é mais …

  • “Educar os filhos sem bater

    “Educar os filhos sem bater", a beleza da infância

    “Educar os filhos sem bater” é o novo livro do psicólogo angolano Nvunda Tonet. Um ensaio sobre parentalidade positiva que visa servir de auxílio aos pais. Numa sociedade …

  • Taxa de seroprevalência aumenta em Moçambique

    Taxa de seroprevalência aumenta em Moçambique

    Moçambique registou um aumento da taxa de seroprevalência que atinge agora os 13,2% e coloca os pais entre os cinco piores do mundo. As conclusões fazem parte de uma …

  • Os oceanos deverão subir dois metros em 80 anos

    Os oceanos deverão subir dois metros em 80 anos

    Um novo estudo publicado na revista da Academia Americana das Ciências dá conta da probabilidade que a elevação do nível dos oceanos seja ainda mais grave.O estudo agora …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.