Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Luanda: escassez de água faz disparar os preços e atormenta população

media Escassez de água em Luanda é preocupante AFP

Luanda continua a enfrentar uma escassez de água sem precedentes, apesar dos trabalhadores da EPAL, terem levantado no passado dia 30 de Maio, a população denuncia preços exorbitantes e critica o executivo de João Lourenço.

Foi levantada no passado dia 30 de Maio a greve da EPAL - Empresa Pública de Águas de Luanda, que começou a 28 de Março, mas a situação está longe de ser resolvida e continua a ter um impacto negativo a distribuição do precioso líquido, com a grave escassez de água durante as duas semanas.

Daniel Frederico, correspondente em Luanda 10/06/2019 ouvir

Um "bidon" de 20 litros passou a custar entre 100 a 150 Kwanzas e Luanda passou a ser abastecida pelos motoqueiros de 3 rodas , vulgo "Kupapata", que também percorrem longas distâncias a procura do precioso líquido.

Longas filas de "bidons" a cada porta de casa, a cada rua e a cada esquina da capital angolana é o cenário que os luandenses enfrentam desde quarta-feira última (8/06).

"Nós já vivemos piores momentos, mas no tempo do Zedu a água não era tão difícil assim" lamenta Kiawete um dos populares do bairro Avô kumbi arredores da cidade de Luanda.

"Estamos a vender a este preço porque a água está difícil, e compramos também caro" justifica Gabriel Manuel um motoqueiro abordado pela RFI em Luanda, nas ruas do Golf 2, município do Kilamba Kiaxi.

Bernardo Ndombele Mila queixa-se de consumo de água imprópria "estamos sujeitos ao consumo de água salobra" ou seja salgada, proveniente de baixo da terra para o banho e lavar a roupa, para água doce, compramos o bidon de 20 litros a 150 Kwanzas nos Motoqueiros, vulgo "Kupapata".

Suzana João outra entrevistada da RFI lamenta o facto e denúncia preços exorbitantes nos mesmos termos "água está difícil, compramos cada bidon a 150 kwanzas".

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.