Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 16/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 16/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 16/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 16/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Angola

Angola quer reforma do Conselho de Segurança da ONU

media João lourenço, chefe de Estado de Angola discursa diante da Assembleia-Geral da ONU Rádio ONU

O chefe de Estado afirmou diante da Assembleia-Geral das Nações Unidas que Angola continua determinada em "construir um Estado democrático e de direito e no combate à corrupção". O chefe de Estado angolano volta a pedir uma reforma profunda na ONU.

O Presidente angolano discursou ontem na 74° Sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas. João Lourenço reiterou que Angola continua determinada em "construir um Estado democrático e de direito e no combate à corrupção".

O Presidente angolano afirmou ao mundo que o seu país está disponível ao investimento estrangeiro em todos os domínios da economia para "aumentar a produção interna de bens e de serviços e aumentar a oferta de empregos".

João Lourenço aproveitou a ocasião para lembrar o contributo de Angola na resolução dos conflitos no continente africano, nomeadamente na "assinatura do memorando de entendimento entre o Ruanda e o Uganda".

O chefe de Estado angolano voltou a pedir uma reforma profunda na ONU para resolver conflitos e prevenir guerras. João Lourenço disse ainda que quer ver o continente africano representado no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

João Lourenço não esqueceu a problemática das alterações climáticas e garantiu que Angola se associa-se aos que denunciam "a irresponsabilidade dos que persistem ignorar os sinais e se sentem no direito de continuar a sustentar indústrias poluentes".

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.