Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 17/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 17/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 17/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 17/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Produtividade do trabalhador no Brasil está estagnada há 50 anos, diz Economist

media Artigo da Economist sobre a baixa produtividade no Brasil Reprodução

A revista semanal inglesa The Economist publica esta semana uma reportagem mostrando que, ao contrário do que ocorreu na China e na Índia, a produtividade do trabalhador brasileiro praticamente não aumentou no último meio-século. Além disso, o brasileiro produz praticamente a metade do que produz um chileno ou um mexicano.
 

Mantendo o tom irônico típico da revista, a reportagem afirma que “os trabalhadores brasileiros são gloriosamente improdutivos” e ilustra a página com uma foto de um homem deitado em uma rede em uma praia. Os dados coletados pela publicação mostram que o país está muito distante da produtividade da Coreia do Sul ou mesmo dos vizinho Chile e México. Embora tenha o mesmo índice da China e o dobro da Índia, estes dois países vêm crescendo em produtividade, e o Brasil não, em uma estagnação que remonta aos anos 60.

A Economist usa como exemplo um proprietário de fast-food americano que instalou um restaurante no festival Lollapalooza, em São Paulo. Ele afirma que precisou contratar 20 funcionários temporários, já contando que 10 não apareceriam para trabalhar. A previsão se cumpriu. Segundo o empresário, ele diminuiu o tempo de atendimento para uma refeição entregue a cada 15 segundos, enquanto a média nos restaurantes brasileiros no mesmo festival, que formavam longas filas, era de 2 a 3 minutos.

Conjunto de causas

Segundo a revista, um conjunto de fatores pesam para a pouca produtividade do trabalhador brasileiro, a começar pelo investimento em educação, que aumentou, mas continua sendo mal aplicado, resultando em baixíssima qualidade do ensino. Também o investimento em infra-estrutura seria uma das causas: o país investe apenas 2,2% do PIB contra uma média de 5,1% nos países em desenvolvimento.

Outro dado evocado pela revista é o de registro de patentes. Enquanto o Brasil registrou no ano passado 254 criações, os EUA, por exemplo, obtiveram 278.000. A má gestão de empresas privadas também é um problema para a produtividade, segundo a revista.
 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.