Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 24/05 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 19/05 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/05 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 24/05 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 19/05 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/05 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 24/05 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 19/05 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/05 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 24/05 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 19/05 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/05 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Jovens dançarinos brasileiros fazem turnê pela Europa

media Dançarinos vão se apresentar na França e Itália Laurence Fragnol

Uma atmosfera de tensão onde a alegria caminha ao lado da violência. Essa é a ideia da peça Magia Negra. O espetáculo, apresentado por treze jovens da periferia de Recife, será apresentado em diversas cidades francesas e italianas entre maio e junho.

A obra nasceu da parceria entre a ONG brasileira Pé no chão e a companhia francesa de teatro Ofélia. Os jovens dançarinos, selecionados de um projeto em quatro comunidades carentes de Recife, levam ao palco a vida nas periferias embalada pelos ritmos regionais. Os dançarinos se preparam durante 6 meses para o espetáculo, que mistura maracatu com Vivaldi e dança com percussão.

Ricardo Santana, conheceu o projeto por indicação de amigos. "A dança para mim é tudo, ela mudou minha vida", conta Ricardo. "De aluno do projeto, hoje eu sou professor de percussão e pretendo logo me formar em música", explica.

 

Gabriela Cantalupo é a mais nova do grupo, ela tem 14 anos e não pensa mais em parar de dançar. "Quando eu entro no palco, toda a força, toda a tristeza, toda a alegria vai junto", diz Gabriela.

O educador da ONG Pé no chão, Josimar Borges, acompanha o grupo pelas turnês. Para ele mais que arte, o espetáculo tem uma intensão pedagógica de criar uma reflexão diferente sobre o Brasil. "O que a gente quer é mostrar uma realidade pouca conhecida, mas contada pelos protagonistas desse mundo", comenta Josimar.

"Os meninos misturam teatro, música e dança para mostrar a atmosfera instável da favela" explica o diretor do espetáculo, Laurent Poncelet. "A ideia é fazer o público sentir as angústias da violência, mas também a energia de viver, a alegria de continuar", conclui Laurent.
 

Ana Cunha Rita, em colaboração para RFI 11/05/2010 ouvir

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.