Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

BC chinês reduz novamente taxas de juros para estimular economia

media As medidas do BC chinês de reduzir taxas de juros visam estimular a economia. REUTERS/Montage RFI

O Banco Central da China anunciou neste domingo (10), em seu site na internet, a redução de suas principais taxas de juros para diminuir os custos de empréstimos e sustentar o crescimento da economia do país. Esta foi a terceira vez, desde novembro, que o BC chinês adota essas medidas para estimular a segunda maior economia do planeta.

A principal taxa de juros do Banco Central da China (PBoC) teve uma queda de 25 pontos de base, e ficou em 5,10%. A taxa para depósitos de um ano também foram revisados para baixo em 25 pontos de base e foi estipulada em 2,25%. As medidas entram em vigor a partir de segunda-feira (11).

A instituição indicou sua preocupação "para continuar a baixar os custos de financiamento" para as empresas, e "sustentar o desenvolvimento durável e equilibrado da economia real". As decisões eram esperadas pelos analistas, diante da mobilização de Pequim para interromper a forte desaceleração da economia chinesa.

"Neste momento, o ritmo da reestruturação da economia se acelera e as flutuações da demanda externa são muito importantes. A economia chinesa continua a enfrentar uma tendência de baixa", explicou o BC.

Estimular uma economia em desaceleração

Em 2014, a China registrou um crescimento de 7,4%, o índice mais baixo em quase 25 anos. A conjuntura econômica continua a se deteriorar, em um contexto de menos dinamismo do setor imobiliário e da demanda interna, além do grande recuo de trocas externas. Em abril, a atividade do setor manufatureiro voltou a cair.

O Banco Central chinês tem adotado nos últimos meses diversas medidas de flexibilização monetária para aliviar a pressão sobre a atividade econômica.

A instituição já havia reduzido suas taxas de juro em novembro e depois em fevereiro. Outra medida adotada foi a redução do nível de reservas obrigatórias impostas aos bancos chineses, com o objetivo de incitar o sistema bancário a emprestar dinheiro às empresas com taxas mais vantajosas.

Analistas estimam que os esforços ainda são muito limitados e as autoridades do país devem continuar a adotar novas medidas para estimular uma economia que vem perdendo dinamismo.
 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.