Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 15/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 15/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 15/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Bolsas oscilam após anúncio de saída de Berlusconi do governo na Itália

media O premiê italiano, Silvio Berlusconi. REUTERS/Marco Valdo/Files

O jogo da sucessão já começou na Itália, após o anúncio de Silvio Berlusconi de que vai deixar o poder após 17 anos de hegemonia na política italiana. Investidores e bolsas de valores reagiram positivamente à decisão. O presidente italiano, Giorgio Napolitano, vai decidir se a melhor opção é convocar eleições antecipadas ou formar um governo transitório. Berlusconi pode deixar o cargo antes do final do mês.

Gina Marques, de Roma para a RFI

As bolsas de valores asiáticas reagiram positivamente à saída anunciada por Silvio Berlusconi do governo na Itália. Nesta quarta-feira, a bolsa de Tóquio encerrou o pregão em alta de 0,94% e a mesma tendência predominou em Seul, Xangai e Hong Kong. Porém, aqui na Europa a situação das bolsas é mais instável. Os pregões de Paris, Londres, Milão e Frankfurt abriram em alta, mas logo passaram a operar no vermelho.

Os juros sobre o papéis italianos com vencimento em 10 anos baixaram. Os investidores duvidavam da capacidade de Berlusconi de sanear as finanças públicas e estavam bombardeando os títulos da dívida soberana italiana nos mercados.

Berlusconi disse que vai deixar o poder ainda em novembro, após a aprovação do orçamento de 2012. Trata-se de um novo orçamento com mais medidas de austeridade pedidas pela Europa para tentar resolver a crise italiana e, principalmente, salvar o euro. O premiê anunciou a decisão depois de perder a maioria no parlamento, pouco antes da votação das contas públicas de 2010. Berlusconi garantiu, no entanto, que vai se demitir só depois que a lei de estabilidade econômica for aprovada.

Foi uma astúcia política de Berlusconi, pois esta lei contém uma série de emendas e assim os partidos de oposição terão que assumir a responsabilidade de aprová-la. Na Itália, quando há uma crise de governo é o presidente da República que encontra os líderes dos partidos para tomar providências. O presidente Giorgio Napolitano, depois de ouvir os representantes parlamentares, vai decidir se a melhor opção é convocar eleições antecipadas ou formar um governo transitório.

Analistas políticos sugerem um governo transitório liderado por Mario Monti, economista e ex-comissário europeu na área de finanças. No entanto, os aliados do atual governo querem eleições antecipadas provavelmente em fevereiro.

Numa entrevista ao jornal La Stampa, Berlusconi declarou que não vai se candidatar. Ele sugeriu também que o candidato a primeiro-ministro seja Angelino Alfano, seu fiel seguidor siciliano, ex-ministro da Justiça, considerado por muitos com pouca experiência política.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.