Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/01 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/01 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/01 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/01 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/01 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/01 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/01 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/01 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Jean-Claude Juncker é eleito presidente da Comissão Europeia

media O ex-primeiro-ministro do Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, foi eleito o novo presidente da Comissão Europeia. REUTERS/Vincent Kessler

O ex-primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, foi eleito hoje (15) presidente da Comissão Europeia pelo Parlamento Europeu, em Estrasburgo. A eleição do ex-primeiro-ministro de Luxemburgo estava praticamente certa. Ele tinha sido designado para o cargo no último dia 27 de junho por 26 dos 28 chefes de Estado e de governo que integram a União Europeia.

Jean-Claude Juncker obteve 422 votos e conseguiu a maioria absoluta dos 751 eurodeputados necessária para assumir a Comissão Europeia e suceder a José Manuel Durão Barroso. 250 parlamentares votaram contra, 47 se abstiveram e 10 anularam o voto.

A eleição do ex-premiê de Luxemburgo era dada como certa, após o acordo dos conservadores, que dominam o Parlamento europeu desde as eleições de maio, com os social-democratas, segunda força política da Casa. Pelo acordo, o Parlamento continuará a ser presidido pelo socialista alemão Martin Schutz.

No entanto, o candidato conservador obteve cerca de 60 votos a menos do que o esperado, indicando que muitos socialistas preferiram não honrar o acordo.

Novos comissários europeus

A partir desta quarta-feira (16), Juncker, que tem o apoio da chanceler alemã Angela Merkel, começará a definir os nomes dos futuros comissários europeus. Cada país membro indica um nome, mas ainda existem sérias divergências sobre os dois cargos de maior prestígio: o de presidente da União Europeia e o de chefe da diplomacia do bloco.

O novo presidente da Comissão de Bruxelas precisará compor com países endividados da zona do euro, que cobram políticas de incentivo ao crescimento e maior flexibilidade nos déficits públicos. É o caso da Itália de Matteo Renzi, que quer impor a jovem ministra italiana das Relações Exteriores, Federica Mogherini, na chefia da diplomacia europeia.

Defesa do euro e combate ao desemprego

O ex-primeiro-ministro de Luxemburgo Jean-Claude Juncker, de 59 anos, dirigiu o Eurogrupo, que reúne os ministros da Economia do bloco, no auge da crise da zona do euro. Nesta manhã, ao apresentar seu programa de ação aos deputados do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, ele reconheceu ter cometido alguns erros na gestão da crise, mas garantiu que o euro, como uma moeda forte, é a melhor proteção para a Europa.

Juncker defendeu a adoção de uma governança econômica no bloco, para evitar que os países membros se percam em divergências, e anunciou um plano ambicioso de combate ao desemprego de € 300 bilhões, cerca de R$ 900 bilhões.

Depois de incluir 13 países em dez anos, Jean Claude Juncker confirmou uma pausa nas adesões à União Europeia. O bloco de 28 países não deve receber nenhum novo integrante nos próximos cinco anos, para consolidar o que foi feito até agora.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.