Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/04 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/04 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/04 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/04 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 21/04 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/04 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/04 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/04 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/04 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/04 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/04 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/04 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/04 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Família prepara transferência do corpo do atirador para Argélia

media Mohamed Benalel Merah, pai do atirador de Toulouse, decidiu enterrar o corpo de seu filho na Argélia.

A família de Mohamed Merah estaria realizando os últimos preparativos para que o corpo do autor dos atentados de Montauban e Toulouse seja enterrado na Argélia, país de origem de seus pais. Uma pessoa próxima da família que preferiu manter o anonimato disse à agência France Presse que o corpo de Merah deve chegar a Argel no início da tarde de quinta-feira em um voo da companhia Air Algérie.  

A mãe e uma irmã acompanharão o corpo de Merah, que nasceu na França e, com exceção de algu,as setadias curtas na Argélia, nunca viveu no país de origem de sua família.

Morto pela polícia na última quinta-feira depois de ter assassinado sete pessoas no sudoeste da França, Mohamed Merah pode ser sepultado no vilarejo de Bezzaz, no município de Essouagui, ao sul de Alger, de onde é originário seu pai.

A família de Merah estava dividia sobre o local do sepultamento. Temia-se que em Toulouse, onde o atirador sempre viveu, sua tomba seria alvo de vandalismo. Outras pessoas na cidade receavam que a sepultura se tornasse um local de peregrinagem para extremistas.

O pai do atirador, Mohamed Benalel Merah, que se defende das acusações de ter negligenciado seus filhos - ele está separado desde 1994 e há vários anos voltou a viver em seu país natal - tomou a decisão de enterrá-lo na Argélia.

Mas ainda se esperava o acordo das autoridades argelinas. Segundo Mohamed Benalel Merah, tudo teria sido mais simples se o atirador tivesse a dupla nacionalidade e estivesse inscrito no consulado argelino de Toulouse desde o seu nascimento, assim como seus irmãos.

Dividida entre o luto e o remorso, segundo seu advogado, a mãe de Merah, Zoulhika Aziri, se mantém reclusa.

Polêmica

"Nenhuma autoridade francesa tem o direito de pedir que eu me cale. Sou um cidadão argelino livre no meu país, eu me exprimo como auero, e tenho o direito de defender meu filho e meu país", declarou Mohamed Benalel Merah em uma entrevista publicada hoje no jornal de língua árabe Echorouk.

Na segunda-feira à noite, o pai do atirador de Toulouse havia dito à agência France Presse que iria processar a França "por ter matado" seu filho. 

Ao que o chanceler Alain Juppé, em entrevista a uma rádio francesa, respondeu: "Se eu fosse o pai de um monstro desses, eu me calaria de vergonha".

"Como um responsável nesse nível, qui se orgulha da democracia e da liberdade de expressão, pode pedir a um pai abalado pela perda de seu filho que se cale", afirmou o pai de Mohamed Merah ao jornal Echorouk. Ele reconheceu ter sido condenado por tráfico de droga em 1999 e ter cumprido uma pena de cinco anos de prisão. "Qual é o problema? Se eu cometi um erro, a justiça fez seu trabalho", disse. 

 

 

 

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.