Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 21/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 21/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 21/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 21/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Cesare Battisti não era protegido por François Mitterrand, diz livro

media Em 8 junho de 2011, a Justiça brasileira autorizou Cesare Battisti a permanecer no país. AFP/Evaristo SA

Um livro publicado em Paris afirma que o ex-militante de extrema esquerda italiano Cesare Battisti não fazia parte da chamada “doutrina Mitterrand”, através da qual o ex-presidente francês socialista François Mitterrand havia se comprometido a não extraditar ativistas procurados pela Itália. A revelação aparece na obra do jornalista Karl Laske.

Cesare Battisti morou na França durante 14 anos, de 1990 a 2004. Ele era um dos líderes do movimento “Proletários Armados para o Comunismo” e foi condenado à revelia, em 1993, à prisão perpétua por diversos homicídios realizados na Itália. Até hoje, pensava-se que Battisti – que sempre alegou inocência e hoje mora no Brasil – havia sido protegido pelo ex-líder francês.

“Cesare Battisti foi excluído da doutrina Mitterrand. Isso está claro em uma nota de síntese de cinco páginas, escrita à máquina e assinada pelo diretor-adjunto gabinete do ministro da Justiça, Régis de Gouttes, em 26 de abril de 1983”, diz o jornalista investigativo, em seu livro “La mémoire du plomb”, publicado pela editora Stock.

A nota ministerial, intitulada “pedido de regularização de diversos italianos”, era endereçada ao ministro do Interior da época, Gaston Defferre, que recebeu uma “lista de 53 pessoas” pedindo vistos na França, através de advogados.

O ex-ativista, cujo nome aparecia em uma relação de “pessoas procuradas na França para prisão” foi “excluído” do procedimento de regularização, de acordo com o documento citado na obra. O italiano, que recebeu asilo político no Brasil, onde vive desde 2004, era alvo de quatro mandados de prisão na França.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.