Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 24/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 24/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 24/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 24/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Paciente que recebeu coração artificial morre, mas fabricante nega fracasso

media O professor Alain Carpentier, cofundador da Carmat. captura vídeo

O paciente de 76 anos que teve o primeiro coração artificial implantado no mundo morreu no último domingo, em Paris. A informação só foi divulgada na noite desta segunda-feira (3) pela equipe médica do hospital Georges Pompidou, responsável pela experiência pioneira. A cirurgia, que durou 10 horas, havia sido realizada no dia 18 de dezembro sob a direção professor Alain Carpentier, criador do projeto.

O homem, que não teve a identidade revelada, viveu 75 dias com o primeiro coração artificial do tipo bioprotético criado pela empresa francesa Carmat. Ele sofria de insuficiência cardíaca em estado terminal e morreu por causas que ainda precisam ser esclarecidas pela análise de uma série de dados médicos e técnicos. Segundo a Carmat, é cedo para tirar conclusões. "Os médicos diretamente envolvidos nos cuidados pós-cirúrgicos desejam destacar o valor das lições aprendidas deste primeiro experimento", disse o hospital em comunicado.

A fabricante confirmou que vai dar continuidade ao protocolo aprovado pelas autoridades de saúde francesas, que autorizaram a implantação de quatro corações artificiais em pacientes em estado terminal e incompatíveis para o transplante do órgão vivo.

A Carmat considera prematuro fazer qualquer avaliação a partir desta primeira experiência. Segundo técnicos que desenvolveram o coração artificial, só a análise do comportamento pós-cirúrgico dos quatro pacientes, durante 30 dias após as implantações, poderá fornecer elementos conclusivos.

Com o anúncio da morte do primeiro paciente, a Carmat teve seus títulos suspensos na Bolsa de Valores de Paris para evitar uma queda brusca no valor das ações da empresa.

O coração artificial é considerado uma alternativa para os casos de contra-indicação de transplantes e também para remediar o problema da falta de corações transplantáveis. Há vários anos, corações artificiais são usados em todo o mundo, mas como equipamento temporário e extracorpóreo, enquanto o paciente aguarda na fila para receber um coração a ser transplantado.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.