Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 22/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 20/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 22/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 20/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 22/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 20/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 22/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Nicolas Sarkozy reage pela primeira vez às acusações de corrupção

media Nicolas Sarkozy não se exprimia oficialmente em público desde 2012. Reuters

O ex-presidente francês, Nicolas Sarkozy, reagiu pela primeira vez às acusações de corrupção que vem sofrendo nos últimos dias. Em uma tribuna publicada no jornal Le Figaro desta sexta-feira (21), o ex-chefe de Estado diz ser inocente, fala de “instrumentalização da Justiça” e critica a postura do governo socialista.

Em sua primeira reação pública às revelações sobre seu possível envolvimento em um escândalo de tráfico de influência, Nicolas Sarkozy rebateu todas a acusações feitas contra ele. O ex-presidente, que não se exprimia oficialmente desde maio de 2012, diz ter rompido o silêncio, pois “os princípios sagrados da nossa República foram pisoteados com uma violência inédita e uma ausência de escrúpulos sem precedentes”. No texto, intitulado “O que eu quero dizer aos franceses”, o ex-chefe de Estado afirma ser inocente e diz que nunca pediu para estar acima da lei, “mas também não posso aceitar ficar abaixo dela”.

Sarkozy é visado por um processo de tráfico de influência e violação de sigilo profissional. Seus telefones foram grampeados durante mais de seis meses como parte de uma investigação sobre as suspeitas de financiamento de sua campanha presidencial de 2007 pelo ex-dirigente líbio Muammar Kadafi. “Os juízes escutam as conversas que tive como responsáveis políticos e estrangeiros. As discussões com meu advogado foram gravadas sem nenhum constrangimento”, relata o francês. “Não se trata de atos cometidos por um ditador contra seus opositores. Trata-se da França!” revolta-se Sarkozy, que compara os procedimentos da justiça aos métodos da Stasi, a polícia secreta na Alemanha Oriental, antes da queda do Muro de Berlim. 

O ex-chefe de Estado também aproveita a tribuna para falar de suas pretensões eleitorais, respondendo aos rumores de uma possível tentativa de volta ao poder nas próximas eleições presidenciais. “Apesar do que vem sendo escrito diariamente (na imprensa), eu não sinto o menor desejo de me envolver hoje na vida política do nosso país”, declarou.

Socialistas reagem

Antes mesmo da publicação da tribuna na edição impressa do Figaro, os trechos divulgados no site do jornal provocaram reações do partido do governo. O primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, disse que a comparação entre a França e a Alemanha do Leste durante o comunismo “é insuportável” e que o fato de contestar a honra da justiça e da polícia representa um “erro moral grave”. Mesmo tom do lado do ministro francês do Interior, Manuel Valls. Para o socialista, o paralelo feito com a Stasi “desqualifica as críticas de Nicolas Sarkozy”.

A ministra francesa da Justiça, Christiane Taubira, também replicou à tribuna do ex-presidente. “Eu não vou aceitar essa injúria visando os cidadãos franceses e os juízes, assim como esse ataque às instituições da República”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.