Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 17/02 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/02 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/02 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 17/02 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/02 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/02 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 17/02 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/02 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/02 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 17/02 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/02 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/02 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/02 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Primeiro destino turístico mundial, França quer atrair 100 milhões de visitantes

media França atrai maior número de turistas, mas setor gera mais receita nos Estados Unidos e na Espanha. GettyImages

A França conserva o título de primeiro destino turístico mundial, com cerca de 83 milhões de visitantes estrangeiros por ano. De olho no potencial econômico do setor, dinamizado pelos países emergentes, e temendo a concorrência dos Estados Unidos e da Espanha, as autoridades francesas lançaram um programa de medidas para atingir a meta de 100 milhões de turistas anuais.

O ministro francês da Relações Exteriores, Laurent Fabius, apresentou esta semana em Paris os resultados de um estudo feito durante os últimos cinco meses sobre o turismo no país. A pesquisa confirmou que a França continua sendo o primeiro destino para viajantes estrangeiros, com 83 milhões de visitantes em 2012. No entanto, em termos de receita, os franceses ficam na terceira posição, atrás dos Estados Unidos e da Espanha.

Cerca de um bilhão de pessoas fazem turismo pelo mundo atualmente, mas o número deve dobrar até 2030, em partes graças ao desenvolvimento econômico dos países emergentes. De olho nesses novos viajantes, o governo francês lançou esta semana o “Programa Turismo para 2020”, um pacote de medidas para atrair mais visitantes.

Visto de turista mais fácil

Além da formação de profissionais do setor, algumas medidas concretas foram anunciadas. Assim como já foi feito para o chineses, o plano visa facilitar a obtenção de vistos de turista para alguns países do Golfo, do continente africano e da Ásia. O governo também prevê criar um sistema de preço único para o trajeto de taxi entre Paris e o aeroporto de Roissy Charles-de-Gaulle, o segundo mais importante da Europa. A estação ferroviária Gare du Nord, a mais movimentada do continente, também deve ser submetida a uma reforma a partir do ano que vem. O projeto de um trem rápido entre a capital e Roissy deve ser acelerado, mesmo se as obras não devem começar antes de 2017.

A medida mais polêmica anunciada pelo governo foi a abertura aos domingos do comércio em zonas freqüentadas pelos turistas, como o boulevard Hausmann, onde estão as lojas de departamentos Galeries Lafayette e Printemps, ou ainda nas principais estações de trens da cidade. O projeto foi imediatamente criticado pelos sindicatos.

Segundo Laurent Fabius, o turismo é a primeira indústria mundial, representando 12% do PIB do planeta e gerando 200 milhões de empregos. Na França, o setor é responsável por 7,3% do PIB e gerou, em 2012, cerca de dois milhões de postos de trabalho diretos e indiretos. Se o país conseguir atrair pelo menos 5% dos novos viajantes previstos para os próximos 15 anos, Paris estima criar 500 mil novos empregos.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.