Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 12/11 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 17/11 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 12/11 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 17/11 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 12/11 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 17/11 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 12/11 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 17/11 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/11 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/11 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Na Guadalupe Macron diz que o tempo é de união

media Na ilha de Guadalupe Macron diz que o tempo é de união REUTERS/Christophe Ena

Enquanto nas ruas se ouvem os protestos, o presidente francês foi visitar a ilha de Saint-Martin devastada pelo furacão Irma na semana passada. As visitas acontecem numa altura em que se multiplicam críticas à lentidão da resposta das autoridades.
 

À chegada a Guadalupe, Emmanuel Macron, defendeu a prontidão do governo na gestão da crise, falando mesmo numa antecipação completa. As declarações do chefe de Estado surgem numa altura em que os governantes governos francês, britânico e holandês são alvo de várias críticas que falam na lentidão de uma resposta por parte das autoridades na gestão da catástrofe que provocou plo menos quarenta mortos nas Caraíbas.

Contudo Emmanuel Macron diz-se favorável à criação de uma Comissão de inquérito parlamentar que tem vindo a ser reclamada pela oposição francês, todavia lembrou que o tempo agora é de união nacional.

França enviou para o terreno cerca de 1.500 militares, polícias e membros dos serviços de emergência franceses que deverão chegar nos próximos dias.Também as autoridades britânicas anunciaram uma ajuda de emergência avaliada em cerca de 35 milhões de euros para os britânicos da região e o envio de dez aviões com agua potável e kits de primeiros socorros.

Além de Emmanuel Macron, também o chefe da diplomacia britânica e o rei holandês visitam hoje territórios nacionais nas Caraíbas.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.