Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 21/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 19/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 21/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 19/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 21/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 19/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 21/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 19/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Ataque contra a Síria “muito em breve ou não tão em breve”

media Cidade de Douma, na região de Ghouta oriental. 30 de Março de 2018. REUTERS/Bassam Khabieh

Um dia depois de ter ameaçado mandar mísseis a Síria por causa do alegado ataque químico de sábado, Donald Trump escreveu, hoje, que pode atacar “muito em breve ou não tão em breve”. A Rússia avisou os países ocidentais para pensarem duas vezes antes de executarem as suas ameaças contra a Síria, seu aliado.

Afinal, o ataque pode ser “muito em breve ou não tão em breve” contra a Síria. Quem o escreve, no Twitter, é o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, um dia depois de ter avisado que “os misseis estão a chegar à Síria”.

Em causa, o ataque com alegadas armas químicas, no sábado, pelo regime de Bachar al-Assad, contra o enclave rebelde de Douma, na região de Ghouta oriental. De acordo com ONG’s locais, mais de 40 pessoas morreram e mais de 500 receberam tratamento, a maioria com dificuldades respiratórias.

Em França, o presidente Emmanuel Macron afirmou, hoje, que há provas que foram usadas armas químicas, mas disse que as decisões serão tomadas “quando for útil e eficaz”.

Entretanto, a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, apelou para que todos os membros da comunidade internacional pensem seriamente nas consequências possíveis das acusações, ameaças e acções planificadas contra o governo sírio.

Deputados russos já tinham alertado os Estados Unidos que a Rússia veria um ataque aéreo contra a Síria como um crime de guerra e que isso poderia desencadear um embate militar entre Moscovo e Washington.

A ameaça de uma acção militar norte-americana, apoiada pela França, acontece pouco depois do degradar das relações com a Rússia, na sequência do envenenamento do antigo espião Sergueï Skripal na Inglaterra.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.