Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 12/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 16/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 12/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 16/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 12/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 16/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 12/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 16/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Macron, o Agitador entra na fase de turbulências

Macron, o Agitador entra na fase de turbulências
 
Capas de semanários sobre actualidade africana e mundial de 21/04/2018 RFI

Abrimos esta Imprensa Semanal, com a JEUNE AFRIQUE, que faz a sua capa com a Tunísia e a pergunta para que serve a Assembleia? No regime instaurado em 2014, o parlamento, tem prerrogativas importantes mas impotentes.

O semanário faz ao que chama uma viagem ao coração de um paradoxo. O regime -parlamentar mitigado consagrado na constituição de 2014, dotou a assembleia dos representantes do povo de largas prerrogativas.

Mas 4 anos depois, o regime parlamentar racionalizado, inédito no mundo árabe, mostrou as suas insuficiências e os seus limites. O próprio chefe de estado, deseja uma revisão da constituição, argumentando tratar-se de "um regime que paralizou a acção do governo".

Concretamente,, a Tunísia, é praticamente um país ingovernável, porque não consegue ter uma maioria  estável no Parlamento. Decisões bloqueadas, projectos e propostas de lei que nunca vêem a luz do dia, abstencionismo dos eleitos, a Assembleia é mais um freio que soberana, nota a JEUNE AFRIQUE.

É o mesmo semanário que dá relevo a Angola, os principais conselheiros de João Lourenço, que será recebido no Eliseu a 28 de maio. Desde que assumiu as funções a 26 de setembro de 2017, afastou vários caciques do antigo regime e rodeou-se de outros pilares do MPLA, desiludidos com José Eduardo dos Santos.

Manuel VIcente, vice-presidente de José Eduardo dos Santos, antigo patrão da SONANGOL, acusado por Portugal de corrupção e desvio de dinheiros públicos, aconselha na sombra, João Lourenço.

Fernando Garcia Miala, general, nomeado em meados de março à frente dos serviços de inteligência, tinha sido demitido em 2006 por josé Eduardo dos Santos.

Ana Dias Lourenço, primeira dama, que passou três meses na prisão em 1977, foi ministra do Plano e antiga economista do Banco Mundial, próxima dos americanos, aconselha o marido sobre questões económicas.

Enfim, Manuel Domingos Augusto, antigo jornalista, ministro dos negócios estrangeiros e antigo embaixador junto da União europeia, é o quarto dos conselheiros especiais com acesso directo ao presidente João Lourenço, segundo a JEUNE AFRIQUE.

Por seu lado, QUESTIONS INTERNATIONALES, faz a sua capa com a Nova África, continente de esperança? É a fórmula do Papa Francisco e do secretá-geral da ONU, António Guterres. 

Após decénios marcados pelo ajustamento estrutural, conflitos do fim da guerra fria, conflitos em cadeia da África dos Grandes Lagos, o século XXI° começou com uma outra visão de um continente em crescimento, onde uma fase de ebulição económica e intelectual sucedeu à estagnação da era precedente, sublinha QUESTIONS INTERNATIONALES.

Sahel, os jiadistas avançam no terreno, escreve por seu lado, COURRIER INTERNATIONAL. A 14 de abril atacaram a missão da ONU.

A ONU e a França afundam-se nas areias movediças do Sahel. Interrompidos no seu plano maquiavélico pela operação francesa Serval no Mali, em 2013, estes terroristas não deixaram de agredir quotidianamente os países da região, acrescenta COURRIER INTERNATIONAL.

Mas a capa do COURRIER INTERNATIONAL, é Macron, o agitador. Um ano de poder visto pela imprensa estrangeira. A França muda depressa, mas o método é bom?

Basta um rastilho para a França ficar em chamas, escreve a publicação citando EL PAIS. Após um primeiro ano idíllico, Macron, o homem de ferro, entrou nas suas primeiras turbulências. O momento Thatcher, chegou, nota The Spectator, citado por COURRIER INTERNATIONAL. 

Macron cava as desigualdades, replica em capa L'OBS, citando passagens da entrevista do antigo presidente francês, François Hollande, que publicou um livro balanço sobre os seus anos de poder, "Lições do poder".

Hollande, envia um recado a Macron, afirmando ao L'OBS, que aqueles que dizem que o povo procura um rei [tese defendida pelo actual presidente] não devem nunca esquecer que estão num país onde o povo corta cabeças!

Enfim, LE POINT, dedica a sua capa à arte de convencer, avançando segredos da eloquência para se encontrar um trabalho numa boa empresa, ter êxitos nos exames, na vida privada e pública.


Sobre o mesmo assunto

  • Imprensa Semanal

    França:François Hollande e o poder

    Saber mais

  • Imprensa Semanal

    Jiadista maliano desafia França

    Saber mais

  • Imprensa Semanal

    Eleições em África, França ou a Rússia de Putin

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.