Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 14/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 14/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 12/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 14/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 12/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 14/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 12/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 12/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Migrantes, Imigrantes e Refugiados dividem União europeia

Migrantes, Imigrantes e Refugiados dividem União europeia
 
Primeiras páginas dos jornais franceses de 13 de junho de 2018 RFI

A crise dos migrantes na Europa e reacções à cimeira de Singapura entre os presidente Donald Trump e Kim Jong-un, dominam as primeiras páginas dos jornais franceses.

"Aquarius": tensões em França e na Europa, titula, LE MONDE. O destino do barco Aquarius rejeitado pela Itália, com 629 migrantes a bordo, criou uma onda de choque na União e na política francesa. Na Assembleia nacional a passividade de Macron e do governo é denunciada pela oposição mas também por deputados da maioria.

Do seu lado o chefe de estado criticou "uma forma de cinismo" da Itália , com Roma a rejeitar "lições hipócritas" de Paris e a convocar o embaixador da França, na capital italiana.

Por seu lado, Josep Borell, ministro espanhol dos negócios estrangeiros, cujo país vai receber os refugiados, apela a União europeia a deixar de praticar a política de avestruz. Na Alemanha, a chanceler, Merkel e o seu ministro do Interior, não estão de acordo sobre a política migratória do país, nota LE MONDE.

O naufrágio da Europa fortaleza, replica, L'HUMANITÉ. O gesto da Espanha não basta para apagar a atitude inepta  de dirigentes da União europeia sobre o acolhimento de migrantes e fazer frente ao xenófobo Salvini. 

O golpe desferido contra o barco do SOS Mediterrâneo e os 629 exilados africanos a bordo pelo ministro do Interior italiano da extrema direita revela a deriva dos Estados membros da União europeia. Eleitos locais e cidadãos solidários exigem uma mudança de rumo, sublinha, L'HUMANITÉ.

Europa à deriva, pertence ao LIBÉRATION, que no seu editorial, intitulado, cinismo, lança uma farpa ao presidente francês.

Macron, não encontrou argumento melhor do que denunciar a irresponsabilidade e o cinismo da Itália neste caso, mas rejeitando a proposta de acolhimento do Aquarius feita pelo presidente do conselho executivo da Córsega. Atingimos claramente os limites do discurso de Macron, que não diz coisa com coisa, nota o editorial do LIBÉRATION.

Mudando de assunto o mesmo LIBÉRATION, recorre a um trocadilho francês, misturando vago e louco, para titular, cimeira Kim-Trump, uma história de loucos. Se do encontro entre os dois imprevisíveis líderes saiu um documento sem qualquer compromisso, não deixa de ser inédito e com uma carga forte simbólica. O documento assinado é caracterizado de decepcionante por um grande número de peritos. O texto é vago nomeadamente sobre a desnuclearização do regime de Pyongyang, sublinha LIBÉRATION.

Uma cimeira, e depois?, pergunta LA CROIX. O documento assinado em Singapura é muito geral quando evoca a desnuclearização sem avançar um calendário.

E no seu editorial, intitulado paciência, LACROIX, nota que para juntar os dois dirigentes com interesses antagonistas extremados, teve-se de recorrer a um terceiro homem, Moon Jae-in, o presidente sul-coreano como intermediário. A reconciliação vai precisar de tais artesãos de paz, discretos, pacientes e visionários, sublinha LA CROIX. 

Depois da cimeira, é tempo de perguntas, replica, em título, LE FIGARO. Se o encontro de Singapura entre Kim Jong-un e Donald Trump, é histórico, o balanço concreto resume-se a um documento recheado de termos gerais e simbólicos. 

No seu editorial, LE FIGARO, observa que a longa ladaínha de promessas não respeitadas pela Coreia do Norte incita à prudência. E sem aprová-lo, pode-se compreender Kim.

A Coreia do Norte sem a bomba, é a Birmânia dos generais, quer dizer não é grande coisa na cena mundial. E, com Kadhafi, o coreano viu o destino reservado a ditadores não nuclearizados. Com o acordo iraniano enviado ao caixote do lixo, percebeu bem como a América procede com compromissos quando não é ameaçada por mísseis, acrescenta, LE FIGARO, no seu editorial.


Sobre o mesmo assunto

  • Revista de Imprensa

    União Europeia sem consenso sobre imigração

    Saber mais

  • Revista de Imprensa

    Trump e Jong-Un:cimeira histórica

    Saber mais

  • Revista de Imprensa

    Imigração e Bioética em destaque na imprensa francesa

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.