Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/09 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 21/09 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/09 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/09 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 21/09 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/09 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/09 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 21/09 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/09 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/09 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 21/09 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/09 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 21/09 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

"Livro(s) do Desassossego" chega a França

 
Marie-Hélène Piwnik tradutora e membro da Academia das Ciências de Lisboa e Academia portuguesa da História RFI

A reedição do Livro do desassossego acaba de ser publicada em francês pela mão da editora da Christian Bourgois

Segundo a catedrática de Literatura Teresa Rita Lopes “não há apenas um Livro do Desassossego, mas três Livros do Desassossego, que dão voz e palavras a três autores distintos: o jovem artista Vicente Guedes, decadente “dandy” e “blasé”; o frio Barão de Teive, dono de uma surpreendente austeridade de pensamento e de linguagem, e Bernardo Soares que, apesar de ser um simples ajudante de guarda-livros da baixa lisboeta, se tornou o semi-heterónimo pessoano mais conhecido e reconhecido, desde que se manifestou pela primeira vez, em 1929”.

Em Paris, encontramo-nos a tradutora francesa Marie-Hélène Piwnik que nos contou como foi traduzir Fernando Pessoa.


Sobre o mesmo assunto

  • Artes

    Cabo Verde: Filinto Elísio "Sou um Poeta radical e livre"

    Saber mais

  • Cabo Verde

    Termina hoje Festival de Literatura Mundo na ilha do Sal

    Saber mais

  • Convidado

    II Colectânea de Poesia Lusófona em Paris

    Saber mais

  • LITERATURA

    Philip Roth: morte de um génio da literatura

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.