Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 16/12 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 14/12 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/12 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 16/12 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 14/12 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/12 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/12 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 15/12 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 14/12 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/12 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 16/12 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 14/12 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/12 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 14/12 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

França: segue-se o protesto dos estudantes

media Os estudantes protestam contra a reforma do exame de final do Ensino Secundário. Thomas SAMSON / AFP

Novo dia de mobilização dos estudantes. Na região de Paris, Bordéus ou Grenoble, os estabelecimentos de ensino estão bloqueados. Os estudantes protestam contra a reforma do exame de final do Ensino Secundário (baccalauréat) e da plataforma de acesso ao Ensino Superior (Parscoursup). Os alunos são, também, solidários com o protesto dos ‘coletes amarelos’.

Os protestos chegaram, pela primeira vez, a vários estabelecimentos universitários da capital francesa. Os estudantes votaram o “bloqueio” de entradas em Censier (Paris III) e Tobiac (Paris I). Contestam o aumento das taxas de inscrição para jovens estrangeiros, vindos de países fora a União Europeia.

Nesta terça-feira 200 escolas secundárias foram bloqueadas. O ministro da Educação Jean-Michel Blanquer fala que a taxa de adesão ao protesto “tem sido de 5%, o que é simultaneamente pouco e muito”. O governante alertou para a violência do protesto: “o que é preocupante, não é a adesão que continua fraca, é que estamos a assistir a formas de luta completamente diferentes do que conhecemos no passado. Em Marselha e Toulouse constatámos os problemas mais graves e de uma violência nunca vista. É um movimento extremamente violento. Há pessoas que não têm limites. É preciso que cada um esteja consciente das suas responsabilidades. Atenção, o que lá se passa é perigoso. (…) Já quatro estudantes do secundário ficaram gravemente feridos. Alguns deles ficaram feridos ao tentar incendiar caixotes do lixo. É lamentável. Colocam-se em perigo”.

Sobre a subida das taxas de taxas de inscrição para jovens estudantes estrangeiros, Blanquer defende-se dizendo tratar-se de “uma taxa bem mais baixa que a praticada noutros países do mundo” e acrescenta que “não há razão para que seja o contribuinte francês que pague os estudos” dos outros.

Em declarações à France Info, o ministro da Educação Nacional e Juventude distancia o protesto dos 'coletes amarelos' da contestação dos estudantes: “movimento dos ‘coletes amarelos’ não tem nada a ver com a reforma escolar, mesmo se existem forças que tentam aproveitar a situação para ligar os movimentos. (…) As coisas estão a evoluir. Peço a todos para não se manifestarem no sábado. O que havia de legítimo nas reivindicações do movimento dos coletes amarelos foi ouvido”.

 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.