Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 22/05 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 19/05 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/05 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 22/05 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 19/05 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/05 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 22/05 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 19/05 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/05 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 22/05 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 19/05 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 19/05 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 22/05 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Notre-Dame de Paris: “Pedaço da história que se apaga”

Notre-Dame de Paris: “Pedaço da história que se apaga”
 
A luta contra o fogo na Catedral de Notre-Dame de Paris. 15 de Abril de 2019. FRANCOIS GUILLOT / AFP

Quando a notícia se espalhou que Notre Dame estava a arder, milhares de pessoas concentraram-se o mais perto que puderam da catedral. Rostos desfeitos, vozes embargadas, figuras ajoelhadas entoavam cânticos e preces enquanto o céu se deixava invadir pelo fumo e a catedral era consumida pelo fogo. Mais de 800 anos de história devorados num par de horas perante a perplexidade da multidão.

Nayara Guedes é cantora lírica e médica, uma presença habitual na Catedral de Notre-Dame. Perante a notícia apocalíptica que o monumento estava a arder, a brasileira não conseguiu ficar em casa e como milhares de pessoas passou o início da noite desta segunda-feira a olhar para as chamas que devastavam um dos monumentos mais visitados do mundo. A sensação era de incredulidade e “não acreditar que isso pudesse estar a acontecer”.

Sou brasileira e a gente teve um incêndio histórico como esse há pouco tempo no Museu Nacional. A sensação que dá é que é um pedaço de história que está indo junto e que por mais que seja reconstruído, muita coisa se perdeu. É um sentimento de perda, uma tristeza de uma história perdida. É um símbolo não só de Paris, é um património mundial”, afirmou.

Quando a notícia se espalhou que Notre Dame estava em chamas, milhares de pessoas encheram as ruas, pontes e praças em torno da Île de la Cité. Rostos desfeitos, olhos aguados, figuras ajoelhadas a entoar cânticos e preces enquanto o céu se deixava invadir pelo fumo e a catedral se consumia num fogo voraz. Mais de 800 anos de história devorados num par de horas perante a perplexidade da multidão.

Joana Gomes também não conseguiu ficar em casa e precisou de se juntar a mais parisienses num momento quase de luto histórico que descreveu como “decadência absoluta”: “É um acontecimento extremamente trágico e não conseguia ficar em casa sem fazer nada, então decidi vir aqui ver e também para ver as pessoas, para não estar sozinha. É tipo o incêndio da Biblioteca de Alexandria.

Quem também não quis ficar sozinha em casa e precisou de ver para crer foi Natalia Belucci, vizinha de Notre-Dame: “Eu não conseguia acreditar que era verdade (…) É um dos lugares mais bonitos da França e eu precisava de vir para ver. É um pedaço da história que se apaga, uma parte da história que se apaga, uma parte da história que se perde.

Tristeza e incompreensão estavam também espelhadas no rosto de Catarina Cerqueira, estudante de mestrado em Paris. “Eu sempre adorei esta cidade e para mim é o maior símbolo desta cidade porque há imensa história lá dentro”, resumiu, prometendo que volta a entrar em Notre-Dame “para ajudar a reconstruir”.

Reconstruir o que demorou a construir cerca de 200 anos numa primeira fase. A Catedral de Notre-Dame é um dos edifícios mais audaciosos do século XII e um dos mais antigos monumentos franceses de estilo gótico.

Em 1831, o escritor Victor Hugo transforma-a no templo do povo e torna-a na célebre protagonista de um dos romances mais traduzidos no mundo, Notre-Dame de Paris. Um renascimento de uma lenda materializado pelo vasto e polémico restauro do arquitecto Viollet-Le-Duc que reinterpretou pouco depois a traça neogótica da catedral e construiu, por exemplo, o imenso pináculo que agora desabou sob as chamas.

Depois do drama, políticos e mecenas prometem reconstruir Notre-Dame, uma convicção repetida pelo vereador-executivo da Câmara de Paris, Hermano Sanches Ruivo. “É evidente que temos de reconstruir Notre-Dame. É evidente que vamos reconstruir Notre-Dame”, garantiu o franco-português, sublinhando que “é um monumento francês, europeu e mundial”.

As sirenes soaram mais alto que as preces. Mais de 400 bombeiros tentaram salvar a catedral e as torres da fachada principal mantiveram-se intactas. Ainda assim, as perdas são incalculáveis e o esplendor dos vitrais das rosáceas ou das pinturas seculares deu lugar à desolação de uma página de história que ardeu a 15 de Abril de 2019.

É horrível, é medonho, é incompreensível. E há raiva. Como é que é possível que o fogo tenha alastrado tao rápido e que não tenha havido alertas imediatos? Estamos totalmente arrasados”, lamentou Isabelle Eon.

É como se assistíssemos ao fim de qualquer coisa. Não sabemos se vão reconstruir alguma coisa. Mais vale estar aqui e ver o último sopro de algo histórico”, acrescentou o seu filho Emmanuel Hadad.

Muita tristeza. Estou a chorar há uma hora. Para mim é um símbolo de Paris. Representa o espirito de França de resistir perante a história”, descreveu a espanhola Mar, que está em Paris a fazer Erasmus.

Meu Deus. Que catástrofe! A maior parte do edifício é de pedra, mas também tem muita madeira que ardeu. Que Deus abençoe todos e ainda bem que não há vítimas”, afirmou Chris Landekens.

É a morte da Nossa Grande Senhora. É muito comovente e é importante estar aqui. É o símbolo de Paris por excelência, tem mais de 800 anos. O símbolo de Paris não é a Torre Eiffel, é a Notre-Dame. É um grande luto”, concluiu Elza Olivier.

 

 


Sobre o mesmo assunto

  • FRANÇA

    França: reconstruir após incêndio em Notre Dame

    Saber mais

  • FRANÇA

    França promete reconstruir catedral de Paris

    Saber mais

  • FRANÇA

    Incêndio na Catedral de Paris

    Saber mais

  • França

    Torre Eiffel comemora 130 anos

    Saber mais

  •  Kakana de Moçambique celebra semana africana em Paris

    Kakana de Moçambique celebra semana africana em Paris

    Hoje estamos com três convidados de Moçambique que  nos falam do Dia da Língua Portuguesa na UNESCO, assim como da semana africana também celebrada em Paris pela agência …

  • Gabriel Abrantes com novo filme em Cannes

    Gabriel Abrantes com novo filme em Cannes

    O realizador português Gabriel Abrantes causou forte impressão aquando da projecção este domingo em Cannes da sua mais recente curta metragem. O filme, em competição …

  • “Bombardeamento” cultural de Portugal em Paris

    “Bombardeamento” cultural de Portugal em Paris

    Paris tem, este mês, uma agenda cultural portuguesa intensa. Uma espécie de "bombardeamento estratégico", nas palavras do Embaixador de Portugal em França, Jorge Torres …

  • "Frankie" filmado em Sintra, em competição em Cannes

    Das 21 longas metragens em competição em Cannes uma delas foi filmada em Portugal."Frankie" do norte-americano Ira Sachs conta com a estrela francesa, Isabelle Huppert, …

  • Queer Palm de Cannes com dois realizadores brasileiros

    Queer Palm de Cannes com dois realizadores brasileiros

    Os brasileiros Filipe Matzembacher e Marcio Reolon têm novo filme em cartaz em França "Tinta bruta" desde esta quarta-feira. Os dois realizadores integram também o júri …

  • "Em Angola a Privinvest tem cumprido até agora"

    O ministro angolano das Relações Exteriores deslocou-se a Paris para consultas políticas entre França e Angola. Manuel Augusto foi recebido pelo Presidente francês Emmanuel …

  • Yannick Afroman fala de

    Yannick Afroman fala de "Outros mundos"

    Recebemos há dias aqui nos estúdios da RFI o rapper angolano Yannick Afroman que acaba de lançar em Dezembro de 2018 o seu novo álbum "Outros mundos", o terceiro disco …

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.