Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 25/06 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 23/06 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 23/06 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 25/06 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 25/06 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 23/06 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 24/06 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/06 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 24/06 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 23/06 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/06 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 24/06 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Urgente
UNITA convoca Congresso para 13 de Novembro
França

Irão ameaça deixar acordo sobre o nuclear

media Central nuclear de Bushehr, no Irão. 03 de Abril de 2007. Behrouz MEHRI / AFP

Um ano depois do anúncio da retirada americana do acordo de Viena sobre o nuclear iraniano, Teerão suspendeu, esta quarta-feira, uma parte dos seus compromissos e deu 60 dias aos outros signatários para concretizarem as suas promessas de proteger Teerão contra as sanções de Washington.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, escreveu uma carta aos outros países signatários do acordo (China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha) para os informar desta decisão.

Porém, Hassan Rohani sublinhou que Teerão não quer o fracasso do Plano de Acção Global Comum, concluído em Julho de 2015 em Viena.

O dirigente iraniano anunciou que a República Islâmica vai parar de vender o seu urânio enriquecido ao estrangeiro e destacou que, se dentro de 60 dias não houver respostas, o Irão abandona os seus compromissos e vai aumentar o seu nível de urânio enriquecido, limitado a 3,67% pelo Acordo de Viena.

Hassan Rohani, presidente do Irão, dobrado por Leonardo Silva 08/05/2019 ouvir

"No  âmbito do  acordo nuclear, nós  decidimos manter  os  níveis  de  enriquecimento do urânio   à  3,67.  Nós  vamos por  fim  a  este  compromisso e  não respeitar  mais  os  níveis   especificados.

Em  segundo lugar,  e como  previsto pelo acordo, o nosso  reactor  de  água  pesada  de Arak,  que  devia ser construído com  a  parceria do  grupo    dos 5+1 países,  continua  a ser construído, e  não está ainda na fase final.

Após  60  dias, nós  decidiremos  retomar  o  nosso  plano  do  acordo  pré-nuclear, no que toca à esse  reactor.

Se  eles  decidirem   tomar como pretexto  as  nossas  acções, para  levar  novamente  o dossier  Irão  ao Conselho de Segurança  da ONU, serão confrontados  com uma forte reacção da nossa parte.

Eu  expliquei  na minha carta aos cinco países o que poderá ser essa reacção".   (Presidente Rohani )

A França e a Alemanha sublinharam, nos últimos dias, a sua vontade em manter em vigor o Acordo de Viena e exortaram o Irão a não o abandonar.

Esta quarta-feira, a ministra francesa da Defesa, Florence Parly, deu a entender que se pode equacionar um mecanismo de sanções contra a república islâmica se as autoridades iranianas abandonarem o acordo de 2015.

Hoje, nada seria pior que o abandono do acordo pelo Irão. Nós, os europeus, nós, a França, queremos absolutamente manter o acordo vivo. É, por isso, que tomámos um certo número de iniciativas para permitir, por exemplo, que as transacções comerciais que, em grande parte, estão sob embargo americano, possam acontecer porque nada seria pior que arruinar a economia iraniana. Não é de todo o nosso objectivo. [No caso de uma saída do Irão dos acordos,] provavelmente haveria sanções europeias, faz parte das coisas a analisar”, afirmou a ministra francesa, em entrevista à BFM TV e RMC Info.

 

Florence Parly, Ministra da Defesa 08/05/2019 ouvir

Um ano depois do anúncio da retirada americana do acordo de Viena sobre o nuclear iraniano, Teerão ameaçou, com efeito, esta quarta-feira, romper este acordo e cessar alguns dos compromissos assumidos em 2015, e deu 60 dias às potências mundiais signatárias - Reino unido, China, UE, Rússia, França e Alemanha - para concretizarem as suas promessas de proteger Teerão contra as sanções de Washington, ameaçando com uma riposta forte.

 

o presidente Hassan Rohani afirmou que vai deixar de limitar as suas reservas de água pesada e urânio enriquecido, pondo em causa o acordo de 2015, que permitiu o levantamento de algumas sanções.

O presidente russo, Vladimir Putin, denunciou uma pressão desproporcionada sobre o Irão e decisões irreflectidas e arbitrárias por parte de Washington, apesar de a Rússia continuar comprometida no acordo nuclear acha que é cedo para discutir possiveis novas sanções contra o Irão.

Também a China defendeu hoje uma rigorosa implementação do acordo nuclear do Irão face às sançoes unilaterais dos Estados Unidos, que visam aumentar a tensão no Médio Oriente.

Já o primeiro-ministro israelita Benjamin Nethaniahou afirmou que Israel jamais permitirá que o Irão obtenha a arma nuclear.

E os Estados Unidos asseguraram que "nunca" cederão à "chantagem nuclear" iraniana, segundo revelou nesta quarta-feira a agência francesa AFP citando responsável norte-americano.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.