Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 18/08 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 16/08 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 18/08 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 16/08 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 18/08 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 16/08 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/08 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 16/08 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 17/08 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 17/08 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 16/08 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Crise nas urgências perdura em França

media Protesto em Paris do pessoal das urgências hospitalares. 6 de Junho de 2019. AURORE MESENGE / AFP

Esta quinta-feira, Paris foi palco de novo protesto dos trabalhadores dos serviços de urgência dos hospitais. O movimento, que começou em meados de Março e que tem sido acompanhado por greves e manifestações, denuncia a falta de meios e de efectivos, os baixos salários e a sobrecarga de trabalho.

Mais de 200 manifestantes desfilaram hoje até ao ministério da Saúde, em Paris, em protesto contra as condições de trabalho nas urgências dos hospitais. O movimento começou em meados de Março e tem sido acompanhado por greves em todo o país e vários protestos.

Esta tarde, a ministra da Saúde, Agnès Buzyn, prometeu uma “estratégia conjunta” para reformar o sector e disse ter pedido ao Conselho Nacional de Urgências Hospitalares e a um deputado para trabalharem sobre “a adaptação das urgências às novas necessidades”. Dessa análise deverá sair um relatório, no Outono, mas a espera é demasiado longa para um serviço que se quer urgente, alertam os trabalhadores.

Em causa, os baixos salários, a falta de efectivos, a sobrecarga de trabalho e a falta de meios técnicos. Em vinte anos, de 1996 a 2016, o número de pacientes nas urgências passou de 10 milhões para 21 milhões e “o trabalho duplicou, mas os meios não”, denunciam os trabalhadores.

Esta quarta-feira, a Ordem dos Médicos reclamou mesmo “negociações urgentes” após várias requisições civis, nomeadamente na cidade de Lons-le-Saunier, onde a polícia teve de ir chamar médicos às suas casas, durante a noite, porque não havia pessoal suficiente nas urgências visto que se encontravam de baixa.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.