Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

“O Agora que Demora” de Christiane Jatahy

media  
“O Agora que Demora - Nossa Odisseia II” de Christiane Jatahy © Christophe Raynaud de Lage

“O Agora que Demora” de Christiane JatahyEm Avignon, sobe esta noite ao palco, pela última vez no âmbito do Festival de Teatro, a peça "O Agora que Demora" da brasileira Christiane Jatahy. Um cruzamento entre teatro e cinema sobre refugiados.

A coprodução entre o Rio de Janeiro e Bruxelas é apresenta em várias línguas, nomeadamente árabe, turco, grego, inglês, francês, dialetos índios e português.

Em “O Agora que Demora - Nossa Odisseia II” de Christiane Jatahy, os actores não estão em palco, estão sentados no meio do público. No palco está uma tela gigante numa quebra propositada da barreira entre “presente e passado”.

“Falamos de pessoas que estão em situações de fronteira, que não podem nem ir nem vir, mas que têm o desejo de volta. Como é que você pode voltar para um lugar que é seu, se esse lugar foi tirado de você? E ao mesmo tempo você não pode sair dali. Este é o exemplo de “O Agora que Demora”, sublinhou a encenadora ao microfone Maria Emilia Alencar.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.