Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 15/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 15/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 15/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 15/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 15/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
França

Início do julgamento do "Caso Karachi" em França

media O empresário franco-libanês Ziad Takieddine é um dos seis réus neste caso. Bertrand GUAY / AFP

Começou a ser julgado hoje o tentacular "Caso Karachi", o caso do alegado financiamento oculto da campanha do antigo Primeiro-Ministro de direita Edouard Balladur frente a Jacques Chirac nas presidenciais de 1995, através de um esquema de pagamento de comissões ilícitas no âmbito de contratos de venda de fragatas à Arábia Saudita e submarinos ao Paquistão em 1994. No banco dos réus estão 6 pessoas, nomeadamente o antigo director de campanha de Edouard Balladur.

Este caso digno de um romance de espionagem começa no 8 de Maio de 2002, dia em que um atentado com carro armadilhado em Karachi no Paquistão mata 15 pessoas, entre as quais 11 franceses trabalhando naquele porto na construção de um submarino por conta da Direcção Francesa das Construções Navais (DCNI). Se num primeiro tempo a investigação privilegia a tese do atentado terrorista, a partir de 2009 o inquérito orienta-se para outra pista, a possível ligação entre este ataque e a interrupção do pagamento de comissões a intermediários na aquisição pelo Paquistão de submarinos franceses em meados da década de 90.

Com efeito, ao tentar averiguar as circunstâncias do ataque, a justiça francesa foca a sua atenção sobre contratos passados em 1994 pelo governo de Edouard Balladur para a venda de fragatas à Arábia Saudita e submarinos ao Paquistão, um negócio que gerou o pagamento de 327 milhões de Euros em comissões. Apesar de estar assente que naquela época se efectuavam legalmente pagamentos a intermediários neste género de transacções, a justiça francesa considera estas comissões "indevidas" e "exorbitantes".

Na óptica dos juízes que investigaram o caso, mais de 10 milhões de Euros poderão ter sido pagos ilicitamente a intermediários supostamente impostos pelo executivo francês da época na fase final da negociação dos referidos contratos, a chamada "rede K", no intuito de enriquecer os seus membros e financiar em parte a campanha eleitoral de Edouard Balladur.

25 anos depois dos supostos factos, 6 réus comparecem desde hoje perante a justiça para averiguar o aspecto financeiro do "Caso Karachi", nomeadamente Nicolas Bazire, antigo director de campanha de Edouard Balladur, bem como Ziad Takieddine, empresário franco-libanês, sob suspeita de abuso de bens públicos, cumplicidade e ocultação desse delito, designadamente em detrimento da Direcção Francesa das Construções Navais. Mais pormenores aqui.

Início do julgamento do "Caso Karachi" 07/10/2019 ouvir

No banco dos réus não estão contudo os principais interessados, os responsáveis políticos da época, o antigo Primeiro-Ministro Edouard Balladur e o seu antigo Ministro da Defesa, François Léotard, cujo presumível papel neste caso pode apenas ser julgado pelo Tribunal de Justiça da República, única entidade habilitada para julgar membros do governo por actos cometidos no exercício das suas funções.

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.