Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 18/10 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 13/10 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 18/10 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 13/10 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 18/10 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 13/10 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 18/10 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 13/10 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 13/10 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 18/10 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.
Artigo

Pela primeira vez, Hugo Chávez admite que pode morrer

media O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ao anunciar sua viagem a Cuba para uma nova cirurgia. Reuters/Palácio de Miraflores

O presidente da Venezuela anunciou na noite de sábado que deve regressar a Cuba para ser operado do seu câncer reincidente na zona pélvica. Ele deu a notícia durante um discurso em rede nacional às rádios e televisões do país e, pela primeira vez, admitiu a incapacidade de governar plenamente e até a possibilidade de morrer.

Em um discurso emocionado, em que beijou várias vezes um crucifixo, o presidente venezuelano Hugo Chávez informou o país da sua partida para Cuba neste domingo, onde será submetido a uma nova operação do câncer. Pela primeira vez ele falou na possibilidade de se aposentar e designou seu vice-presidente, Nicolas Maduro, como sucessor legítimo, pedido aos venezuelanos que votem nele.

Aos 58 anos, e no poder desde 1999, Chávez deu a entender, de forma implícita, que desta vez é possível que não retorne ao poder. Ele estava em Cuba e devia ser operado na sexta-feira, como sugeriram os médicos, mas  recusou e preferiu voltar à Venezuela para pedir ao Parlamento a autorização de deixar o país por mais de cinco dias. Quanto à data da cirurgia, não foi comunicada, mas sabe-se que o presidente sente dores fortes e está sob o efeito de calmantes.

"Se alguma coisa acontecer..."

Pela primeira vez em treze anos à frente do país, Chávez preparou o terreno para a sua partida da política e não descartou a possibilidade de morrer.

"Se alguma coisa acontecer e eu ficar inapto de alguma forma, Nicolas Maduro (vice-presidente e ministro das Relações Exteriores) tem condições de assumir, como manda a Constituição, o período de interino antes da convocação de novas eleições".

Oficialmente, o novo mandato do presidente começa em 10 de janeiro. Se ele não tiver capacidade de cumprí-lo, a Constituição prevê a convocação de novas eleições em 30 dias e o chefe do Parlamento assume como interino. Mas se Chávez estiver presente em 10 de janeiro e tiver que deixar o cargo durante os quatro primeiros anos de seu mandato, ñovas eleições serão organizadas, mas será o vice-presidente que assumirá como interino.

Hugo Chávez já foi operado diversas vezes em Cuba em 2011 e 2012, depois da descoberta de um tumor cancerígeno na zona pélvica, em junho do ano passado. Por duas vezes, ele declarou estar totalmente curado. Depois de ter sido reeleito em 7 de outubro passado, Chávez desapareceu da vida pública. No dia 27 de novembro partiu para Cuba para tratamento.

Uma manifestação popular de apoio ao presidente, cuja cota de popularidade atinge 60%, está prevista neste domingo, em Caracas.

 

Sobre o mesmo assunto
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.