Ouvir Carregar Podcast
  • 16h00 - 16h06 TMG
    Noticiário 20/01 16h00 GMT
  • 16h00 - 16h10 TMG
    Noticiário 23/01 16h00 GMT
  • 16h06 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 16h06 GMT
  • 16h10 - 16h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 16h10 GMT
  • 17h00 - 17h06 TMG
    Noticiário 20/01 17h00 GMT
  • 17h00 - 17h10 TMG
    Noticiário 23/01 17h00 GMT
  • 17h06 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 17h06 GMT
  • 17h10 - 17h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 17h10 GMT
  • 18h00 - 18h06 TMG
    Noticiário 20/01 18h00 GMT
  • 18h00 - 18h10 TMG
    Noticiário 23/01 18h00 GMT
  • 18h06 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 18h06 GMT
  • 18h10 - 18h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 18h10 GMT
  • 19h00 - 19h06 TMG
    Noticiário 20/01 19h00 GMT
  • 19h00 - 19h10 TMG
    Noticiário 23/01 19h00 GMT
  • 19h06 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 20/01 19h06 GMT
  • 19h10 - 19h30 TMG
    Segunda parte da emissão 23/01 19h10 GMT
Para aproveitar em pleno os conteúdos mutimedia, deve ter o plugin Flash instalado no seu navegador. Para estabelecer a ligação deve activar os cookies nos parâmetros do seu navegador. Para poder navegar de forma ideal o site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e + etc.

Conflito na Ucrânia esconde guerra gerada por gasodutos, diz analista

Por
Conflito na Ucrânia esconde guerra gerada por gasodutos, diz analista
 
Os chefes da diplomacia russa e americana, Sergueï Lavrov e John Kerry, nesta quinta-feira em Genebra REUTERS/Jim Bourg

O agravamento da crise na Ucrânia levou a União Europeia e os Estados Unidos a convocarem uma reunião nesta quinta-feira (17), que resultou um acordo em etapas para colocar um fim à crise no país. O chanceler russo Serguei Lavrov  também desmentiu que a Rússia tenha a intenção de enviar tropas à região.

A reunião em Genebra reuniu o chanceler russo Serguei Lavrov, o secretário de Estado americano John Kerry, a chefe da diplomacia europeia Catherine Ashton e o ministro das Relações Exteriores Andrïï Dechtchitsa. Os quatro representantes divulgaram uma declaração comum pedindo o fim da violência.

O acordo também prevê o desarmamento dos grupos armados ilegais e a evacuação dos prédios ocupados, e uma discussão sobre a reforma política que resultaria em mais autonomia para as regiões.

Em seu programa na TV, presidente russo também acusou os dirigentes ucranianos de cometerem um "crime grave" enviando as forças armadas para reprimir o movimento separatista no leste da Ucrânia. Nesta quarta-feira, os militares ucranianos se renderam diante dos rebeldes pro-russos, pouco mais de um mês depois da anexação da Crimeia.

Para Solange Reis, coordenadora do OPEU (Observatório Político dos Estados Unidos), a federalização da Ucrânia é a melhor solução, sendo, inclusive, defendida pelo governo americano.

"O problema é convencer os radicais que compõem o governo de Kiev", diz Solange. "A grande dificuldade hoje, é que as potências envolvidas, perderam de certa forma um pouco o controle sobre os outros atores envolvidos no jogo. No caso das milícias pro-russas no leste, por mais que elas estejam incentivadas pelo governo da Rússia, há possibilidade de que um acordo desagrade um grupo ou setor que desobedeça as regras acordadas pelas lideranças", diz Solange.

Para a especialista em Relações Internacionais, o governo de Kiev também é formado por radicais que não têm interesse em dar maior autonomia às regiões. "A proposta é concreta. A Rússia desde o início defendeu a neutralidade da Ucrânia, que ela se comprometa a não entrar na OTAN por exemplo. E isso é defendido pelos Estados Unidos”, explica.

Fator econômico da crise

A pesquisadora também questiona se essa influência russa é mal-intencionada. "O objetivo da Rússia não é anexar essa região. A postura de Putin, diz, não é abertamente territorialista neste momento, mas sim, a de manter uma influência russa no leste."

Ela também lembra a importância dos gasodutos. Parte importante desses gasodutos, lembra, estão nessas regiões que se rebelam contra Kiev, e caso elas passem para o lado da Rússia, a Ucrânia perde uma parte da receita, que é o que a Rússia paga pelo transporte para a Europa.

Esse componente econômico diz, é fundamental para a Ucrânia, que fará o possível para manter o controle sobre a receita oriunda da venda do gás.

Para ouvir a entrevista completa, clique no ícone "Ouvir."
 


Sobre o mesmo assunto

  • Ucrânia/Rússia

    Putin acusa a Ucrânia de cometer “crimes graves” contra grupos pró-russos

    Saber mais

  • Ucrânia/crise

    Kerry chega a Genebra para reunião sobre Ucrânia

    Saber mais

  • Rússia/Ucrânia

    Em dia tenso, tanques com bandeira russa circulam no leste da Ucrânia

    Saber mais

  • UEA/Rússia/Ucrânia

    EUA ameaçam sancionar Moscou caso reunião sobre crise ucraniana em Genebra fracasse

    Saber mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
As emissões
 
Lamentamos, mas o prazo para estabelecer a ligação em causa foi ultrapassado.